Taxa de desemprego recua nos EUA em junho

A taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu 6,1% em junho, num momento em que a economia criou 288.000 novos postos de trabalho, informou nesta quinta-feira, 03, o Departamento de Trabalho.
                                                   

Taxa de desemprego deve recuar em junho, revela Catho-Fipe

A Catho-Fipe anunciou nesta quarta-feira, 02, que a taxa de desemprego de junho medida pela PME/IBGE deve ficar em 5,0%, uma queda de 0,9 ponto percentual em relação ao registrado em junho de 2013, o que confirma a tendência de queda desse indicador.

Número de desempregados recua na Eurozona

O Eurostat anunciou nesta terça-feira, 01, que a Eurozona tinha em maio 28.000 desempregados a menos que em abril, mas o índice permaneceu estável, a 11,6%. A agência anunciou no mês passado uma estimativa do índice de desemprego em abril de 11,7% , mas revisou o resultado, o que explica a estabilidade.

Desemprego fica estável em quatro regiões metropolitanas, revela IBGE

Nesta quinta-feira, 26, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que em maio de 2014 a taxa de desemprego ficou estável nas quatro regiões divulgadas (Recife, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo), em relação ao mês anterior. Já em comparação com o mesmo período do ano anterior, a taxa declinou 1,8 ponto percentual no Rio de Janeiro e 1,2 ponto percentual em São Paulo. Em Recife e Belo Horizonte, o cenário foi de estabilidade.

Geração de empregos foi a mais baixa para maio nos últimos 22 anos

A geração de empregos formais em maio deste ano foi a mais baixa para o mês nos últimos 22 anos – pouco mais de 58 mil postos de trabalho, resultado de 1.849.591 admissões e 1.790.755 demissões. Os números estão no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego divulgado hoje (24). Saldo pior do que esse foi registrado em maio de 1992, com a criação de 21,5 mil empregos.

Taxa de desemprego fica estável nos EUA em maio

A taxa de desemprego nos Estados Unidos permaneceu em 6,3% em maio, enquanto a economia criou 217.000 novos empregos, superando pela primeira vez os níveis anteriores à recessão, informou nesta sexta-feira, 06, o Departamento de Trabalho.

Aumento do desemprego é sazonal, diz especialista

Entre os últimos três meses de 2013 e o primeiro trimestre deste ano, a taxa média de desocupação do Brasil saiu de 6,2% para 7,1%, de acordo com a PNAD Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A variação, segundo Rodrigo Leandro de Moura, pesquisador da área de Economia Aplicada da FGV/IBRE, é explicada por um movimento de ajuste sazonal. “Isso se deve, principalmente, devido às contratações de fim de ano, em virtude do aumento das vendas das festas natalinas. Logo após o Natal vários setores demitem”, diz ao completar que o setor de comércio, às vezes, segura as demissões para depois do carnaval. “Mas de qualquer forma, esse aumento do desemprego é devido a essas demissões sazonais”. Se comprado ao mesmo período do ano passado (1º tri de 2013), a taxa sofreu uma queda, de 8% para 7,1%.

Assinar este feed RSS