Negócios

Receita líquida da Kepler Weber cresce 48,4% no 2T22

kepler weber

A receita líquida da Kepler Weber atingiu recorde histórico para segundos trimestres, com desempenho positivo de todas as áreas de negócios, e somou R$ 360,1 milhões entre abril e junho, segundo balanço divulgado ao Mercado nesta quarta-feira (27). No comparativo com o mesmo período de 2021, o crescimento foi de 48,4%, atingindo, no semestre, R$ 797,7 milhões, receita 66,6% maior que nos seis primeiros meses do ano passado, quando a companhia reportou R$ 478,8 milhões.

A empresa, líder na América Latina em soluções de pós-colheita, aponta que o resultado proporciona “uma excelente posição de mercado, resultado de movimentos assertivos frente a conjuntura favorável do agronegócio”, diz trecho da mensagem da diretoria.

Ebitda cresce 340,7% no 2T22

O EBITDA do trimestre fechou em R$ 94,3 milhões, um aumento de 340,7% em relação ao mesmo período de 2021, quando a companhia informou ter atingido R$ 21,4 milhões. A margem EBITDA avançou 17,4 pontos percentuais, chegando a 26,2% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado. No semestre, o crescimento foi de 344,7%, passando de R$ 54,2 milhões para R$ 241,1 milhões, fazendo com que a margem avançasse 19,9 pontos percentuais, atingindo 30,2% em 2022.

“Importante ressaltar que o crescimento de 340,7% no EBITDA, em relação ao 2T21, representa o avanço no aumento do nível da atividade produtiva e da expansão das margens nos segmentos de negócio, resultado da eficiente gestão operacional em conjunto com a administração de preços junto aos clientes”, diz a mensagem da diretoria.

O lucro líquido da companhia cresceu 410,2% no segundo trimestre deste ano quando comparado ao mesmo período do ano anterior, passando de R$ 11,8 milhões para R$ 60,2 milhões. A margem atingiu 16,7%, aumento de 11,9 pontos percentuais.

O ROIC, Retorno sobre o Capital Investido, do trimestre evoluiu, no acumulado de 12 meses, 57,0 pontos percentuais em relação aos mesmos meses do ano passado, atingindo 101,5%.

No balanço trimestral, a Kepler Weber reforça a estratégia de compra da Procer, principal player do Brasil em tecnologias específicas para o gerenciamento de pós-colheita, para acelerar a digitalização das unidades de beneficiamento, armazenagem de grãos e movimentação de granéis. O Memorando de Entendimentos (MOU) para compra de 50% mais uma quota foi anunciado no fim de junho.

A diretoria também destaca o anúncio do Plano Safra, que destina recursos aos agricultores que pretendem comprar unidades armazenadoras, por meio do Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), “com taxas atrativas ao produtor, em percentuais abaixo da inflação”.

Áreas de negócios

Pós-colheita, principal área de negócio da Kepler Weber, registrou aumento de 25,5% no segundo trimestre, com receita de R$ 220,7 milhões. Em igual período do ano passado, o segmento havia somado R$ 175,8 milhões. No semestre, houve avanço de 39,6%, atingindo R$ 483,8 milhões em receita.

A gestão de preços e custos, apesar de aumentos nos insumos, como aço, é apontada pela companhia como um dos fatores que levaram ao bom desempenho, além do bom momento do agronegócio e de “ações estratégicas da companhia, que permitiram crescer com rentabilidade em todas as regiões agrícolas do Brasil”, ressalta o balanço, que também aponta redução de 16,2% na receita quando se compara o primeiro e o segundo trimestres de 2022, “reflexo da sazonalidade” e da “dinâmica não-linear de safras nas diferentes regiões do país e, também, da expectativa pela liberação do PCA 2022/23 por parte do mercado”.

O comunicado ao mercado adianta que, entre janeiro e junho, “vendas relevantes” foram realizadas para Estados como Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná, Minas Gerais e Piauí. A receita destas obras já contratadas vão impactar o faturamento no segundo semestre.

Negócios internacionais registrou aumento de 46,2% no trimestre, na comparação com 2021, passando de R$ 27,7 milhões para R$ 40,5 milhões. Em comparação ao primeiro trimestre deste ano, o aumento foi de 7,1%. No semestre, esta área de negócios, que já realizou obras em mais de 50 países, somou R$ 78,3 milhões ante os R$ 50,8 milhões dos seis primeiros meses de 2021.

A companhia afirma que o posicionamento premium da empresa no mercado internacional permitiu “capturar negócios rentáveis mesmo diante do cenário de inflação dos custos de logística e da volatilidade cambial”, diz o relatório, que também cita uma carteira “mais robusta em função de negócios fechados no final de 2021 na África e América Central”, regiões que são foco de expansão da Kepler Weber.

O balanço também confirma vendas para diferentes países no segundo trimestre deste ano, incluindo o sudeste asiático e América do Sul, com projetos de grande porte, que devem impactar positivamente o faturamento do terceiro trimestre.

Portos e Terminais registrou crescimento de 195% no trimestre, quando comparado com 2021, passando de R$ 2 milhões para R$ 5,9 milhões, enquanto no semestre houve queda de 51,2%. “Esse segmento é caracterizado por projetos de ticket elevado e ciclo comercial prolongado, podendo gerar grandes variações de faturamento de um trimestres para outro, se analisado de maneira isolada”, explica trecho do balanço.

Segundo a Kepler Weber, “neste trimestre iniciou o faturamento de uma venda realizada no segundo semestre de 2021 para um terminal de exportação de Santos”. A empresa informa também uma venda para um terminal portuário de Paranaguá, de R$ 34 milhões, aproximadamente, que irá incrementar o faturamento desta área de negócio no primeiro trimestre de 2023.

Agroindústrias, área de negócio criada este ano e que concentra projetos de alta complexidade, com ciclo de vendas mais prolongados, faturou R$ 47,5 milhões, somando, no semestre, R$ 141,4 milhões. Na comparação com o primeiro trimestre houve redução de 49,4%, “refletido principalmente pelo grande volume de entrega concentrado no primeiro trimestre”.

O balanço revela vendas já realizadas no segundo trimestre, incluindo seis projetos para um único cliente no Mato Grosso e Rondônia. O faturamento destas negociações deve aparecer no balanço do quarto trimestre de 2022.

Reposição e serviços avançou 22,3% em receita no segundo trimestre, atingindo R$ 45,5 milhões, ante os R$ 37,2 milhões de igual período do ano passado. No semestre também houve crescimento, de 27,6%, passando de R$ 69,1 milhões para R$ 88,2 milhões.

Esta área de negócio atua diretamente na modernização de unidades de beneficiamento e armazenagem de grãos, com treinamentos, inspeções, upgrades, adequações de normas e revitalização. A Kepler Weber sinaliza que o crescimento de Reposição e Serviços faz parte da estratégia, que prevê pronta-entrega, com Centros de Distribuição posicionados em todas as regiões agrícolas do país.

(Redação – Investimentos e Notícias)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.