Patrimônio líquido do Santander avança 7,4%

  •  
Patrimônio líquido do Santander avança 7,4% Foto: Divulgação

O Santander Brasil (SANB11) anunciou que seu lucro líquido gerencial, que não considera ágio de aquisições, registrou R$ 4,012 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 4,1% maior que no mesmo período de 2020.

A carteira de crédito ampliada do banco encerrou março com R$ 497,566 bilhões, 2,9% menor que no final do ano passado. Na comparação anual, a carteira se expandiu em 7,4%. O custo do crédito subiu de 2,5%, no último trimestre de 2020, para 2,6% nos três meses encerrados em março.

A inadimplência acima 90 dias se manteve estável em 2,1% na comparação com o período imediatamente anterior. Já os empréstimos em atraso de 15 a 90 dias cresceram de 2,8% para 3,6%, entre os dois últimos trimestres. As despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa, as chamadas PDDs, somaram R$ 3,914 bi no primeiro trimestre deste ano, 8,45% mais que no último trimestre de 2020.

Segundo o Santander, os ativos totais detidos pela subsidiária brasileira do banco espanhol se retraíram em 2,2% se comparados a um ano antes e encerraram o primeiro trimestre em R$ 978,15 bilhões. O patrimônio líquido, por sua vez, avançou 7,4% na mesma comparação, e alcançou R$ 77,763 bilhões no período encerrado em março.

Enquanto isso, o retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROAE, na sigla em inglês) ficou em 20,9%. O que significa estável em relação ao trimestre anterior, mas inferior aos 22,3% registrados um ano antes.

Ainda de acordo com o banco, a margem financeira bruta foi de R$ 13,422 bilhões nos três primeiros meses deste ano, 8,3% maior que nos últimos três de 2020.

O índice de eficiência foi a 35,2% no primeiro trimestre de 2021, o melhor na história do banco. O índice de Basileia cedeu ligeiramente, de 15,3% para 15,2%, entre o final do ano passado e o início deste.

(Redação - Investmentos e Notícias)