JSL anuncia lucro líquido de R$ 42,1 milhões no 1T21

  •  
JSL anuncia lucro líquido de R$ 42,1 milhões no 1T21 (Foto: Pexels) JSL anuncia lucro líquido de R$ 42,1 milhões no 1T21

O Lucro líquido consolidado da JSL alcançou R$ 42,1 milhões no primeiro trimestre de 2021 (1T21), 348,4% superior ao 1T20 e 38% em relação ao 4T20 como reflexo do foco na revisão de custos e gestão de endividamento da Companhia e também pelos resultados apresentados pela Fadel e Transmoreno no trimestre. O resultado contempla os efeitos da amortização da alocação do preço de aquisição referente a Fadel e a Transmoreno, de R$ 5,6 milhões. Se excluirmos os efeitos dessaamortização, o Lucro Líquido Ajustado seria de R$ 47,7 milhões.

A Receita Líquida de Serviços atingiu R$ 507,6 milhões no 1T21, um aumento de 10,3% na comparação com o 1T20 e 2% quando comparado com o 4T20, reflexo da sazonalidade natural do nosso negócio e também pontualmente impactada pela paralização ocorrida no setor automotivo no final de março. Na comparação anual além da consolidação da Transmoreno nesse segmento, a JSL também apresentou crescimento principalmente nos negócios de armazenamento e transporte de cargas no segmento de máquinas pesadas.

No 1T21, os Custos de Serviços totalizaram R$ 441milhões, redução de 1,7% na comparação com o 4T20. A linha de Pessoal, com alta de 10,4%na comparação com o 1T20, reflete os impactos da consolidação da controlada Transmoreno e aumento na base de colaboradores no período. O aumento de 11,4% em relação ao 1T20 em Agregados e terceiros também absorve o impacto da consolidação e, apesar do aumento do valor dos insumos que impactam o valor do frete no período, a sazonalidade de volume normal do do negócio fez com que o valor apresentasse redução de 0,8% na comparação do o 4T20.

No 1T21, o EBITDA totalizou R$64,5 milhões, em linha com o 1T20 porém um recuo na comparação com o 4T20 como reflexo da sazonalidade e do incremento de custos, descritos acima e impacto da não desmobilização das operações que atendem ao setor automotivo, mesmo com a parada no final do trimestre. A Margem EBITDA acompanhou a redução uma vez que os reajustes dos fretes e insumos já aconteceram e os reajustes dos contratos com clientes serão absorvidos no decorrer do próximo trimestre de forma prospectiva. Esses dados evidenciam a sazonalidade do negócio e particularmente na operação leve em ativos, tradicionalmente menor no primeiro trimestre do ano.

(Redação – Investimentos e Notícias)