Embraer registra prejuízo líquido de R$ 797,5 mi no 3T20

  •  
Embraer registra prejuízo líquido de R$ 797,5 mi no 3T20 (Foto: Pexels) Embraer registra prejuízo líquido de R$ 797,5 mi no 3T20

No 3T20, a Embraer entregou sete aeronaves comerciais e 21 executivas (19 jatos leves e dois grandes) e sua carteira de pedidos firmes (backlog) alcançou US$ 15,1 bilhões.

Excluindo-se os itens especiais, o EBIT e EBITDA ajustados foram de R$ (239,5) milhões e R$ (40,7) milhões, respectivamente, levando a margens de -5,9% e -1,0%, respectivamente, tendo sido impactados negativamente pelo fraco resultado da Aviação Comercial.

Os resultados do 3T20 incluem itens especiais que representam um impacto total positivo de R$ 41,7 milhões, assim dividido: 1) R$ (292,5) milhões de despesas com reestruturação relacionadas ao ajuste da força de trabalho ocorrido na Companhia, conforme anunciado em setembro; 2) R$ (68,9) milhões de provisão adicional para perdas de crédito esperadas durante a pandemia; 3) R$ 317,2 milhões de reversão de impairment na Aviação Comercial, que impactou positivamente os resultados e; 4) R$ 85,9 milhões de reversão de impairment na Aviação Executiva, que também impactou positivamente os resultados do trimestre.

No 3T20, a Embraer apresentou Prejuízo líquido ajustado (excluindo-se impostos diferidos e itens especiais) de R$ 797,5 milhões e Prejuízo por ação ajustado de R$ 1,08.

No 3T20, a Embraer reportou um Uso livre de caixa ajustado de R$ 3.035,0 milhões, ainda afetado por aumentos de capital de giro (principalmente estoques mais altos) principalmente na Aviação Comercial.

A liquidez da Companhia permanece sólida e fechou o 3T20 com um caixa de R$ 12,3 bilhões, acima dos R$ 10,9 bilhões do 2T20, apesar do fluxo de caixa livre negativo no trimestre. A Companhia emitiu com sucesso US$ 750 milhões em títulos com vencimento em 2028, usando US$ 250 milhões dos recursos para pagar antecipadamente parcelas de seus títulos de 2022 e 2023, ao mesmo tempo em que adicionou US$ 500 milhões em liquidez. A gestão de passivos da Embraer durante o 3T20 resultou no aumento do prazo médio do endividamento de 3,8 anos para 4,5 anos.

Devido à incerteza relacionada à pandemia da COVID-19, as estimativas financeiras e de entregas da Empresa para 2020 permanecem suspensas neste momento.

(Redação – Investimentos e Notícias)