Preço de venda residencial avança 0,23% em maio

O Índice FipeZap apresentou alta nominal de 0,23% em maio, superando ligeiramente as variações observadas em abril (+0,20%) e em março (+0,18%). Comparativamente, a variação mensal do índice também superou o comportamento esperado do IPCA/IBGE para maio (-0,40%), segundo expectativa publicada no último Boletim Focus do Banco Central do Brasil. Uma vez confirmada essa variação dos preços ao consumidor, calcula-se que o preço médio de venda de imóveis residenciais encerrará o referido mês com alta real de 0,63%. Individualmente, dentre as 16 capitais monitoradas pelo Índice FipeZap, aquelas que apresentaram maior elevação de preço médio no último mês foram: Curitiba (+1,05%), Campo Grande (+0,99%) e Manaus (+0,57%). Em contraste, Recife exibiu o maior recuo no preço médio entre as capitais monitoradas (-1,47%), sendo acompanhada por Porto Alegre (-0,26%) e Maceió (-0,21%). No tocante às duas cidades de maior representatividade no Índice FipeZap, São Paulo apresentou alta de 0,29% em maio, superando a variação observada no Rio de Janeiro, onde a alta mensal registrada foi de 0,21%.

Valores de venda de imóveis comerciais oscilam em abril

Assim como em março, os preços médios de venda e de locação de imóveis comerciais oscilaram em torno da estabilidade em abril (respectivamente, -0,09% e +0,04%). Comparativamente, os dois índices de preço calculados para salas e conjuntos comerciais de até 200m² superaram a inflação ao consumidor medida pelo IPCA/IBGE (-0,31%). Entre as cidades monitoradas pelo Índice FipeZap Comercial, apenas 3 cidades apresentaram elevação no preço médio de venda: Florianópolis (+1,14%), Campinas (+0,24%) e Curitiba (+0,09%), enquanto, entre imóveis para locação, os avanços foram registrados em 5 municípios, destacando-se: Niterói (+1,07%), Belo Horizonte (+0,29%) e São Paulo (+0,28%). Em contraste, as maiores quedas foram observadas em Porto Alegre (-0,36%), Brasília (-0,30%) e Belo Horizonte (-0,26%), entre imóveis colocados à venda, e em Brasília (-1,11%), Curitiba (-0,82%) e Salvador (-0,29%), no caso da locação. 

Preços de imóveis comerciais encerraram fevereiro estáveis

Os preços médios de venda e de locação de imóveis comerciais encerraram fevereiro de 2020 em estabilidade. Comparativamente, o comportamento dos índice calculados para salas e conjuntos comerciais de até 200m² foram superadas pela inflação ao consumidor medida pelo IPCA/IBGE, que registrou alta de 0,25%. Entre as cidades monitoradas pelo Índice FipeZap Comercial, destacaram-se as altas no preço médio de venda em: Salvador (+1,15%), Florianópolis (+0,60%) e Campinas (+0,21%), enquanto entre imóveis para locação, os maiores avanços foram registrados em: Brasília (+1,54%), Curitiba (+0,42%) e Niterói (+0,36%). Em termos de baixa, as cidades que apresentaram maiores quedas no preço de venda foram: Curitiba (-0,38%), Rio de Janeiro (-0,32%) e Belo Horizonte (-0,27%), enquanto, no caso dos preços de locação, os maiores recuos foram no Rio de Janeiro (-0,35%), em Florianópolis (-0,30%) e Porto Alegre (-0,17%).

Índice FipeZap de locação residencial cresce a 0,51%

Após subir 0,38% em janeiro, o Índice FipeZap de Locação Residencial encerrou fevereiro com alta nominal de 0,51%. A variação positiva observada superou o resultado mensal da inflação pelo IPCA/IBGE no último mês (+0,25%), resultando em uma alta real de 0,26% no preço médio de locação de imóveis residenciais. Entre as 11 capitais monitoradas pelo Índice FipeZap de Locação Residencial, a maioria apresentou variações de preço que superaram a inflação ao consumidor, sendo Brasília a que apresentou a maior elevação no último mês (+1,24%), seguida pelas altas registradas em Salvador (+0,85%) e São Paulo (+0,70%). Vale notar que apenas 2 das capitais monitoradas apresentaram queda nominal no preço de locação residencial no mês: em Fortaleza (-0,86%) e Porto Alegre (-0,13%). No Rio de Janeiro, uma das capitais com maior peso no índice, o avanço no último mês foi de 0,39% em fevereiro.

Venda de imóveis cresceu 9,7% em 2019

Levantamento da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) divulgado hoje (2) mostra que as vendas de imóveis residenciais cresceram 9,7% no país, em 2019, na comparação com o ano anterior. No total foram vendidas 130.434 unidades, contra 118.893 em 2018. Para a CBIC, o ano de 2020 projeta um crescimento parecido com o observado em 2019, em torno de 10%, melhor resultado anual dos últimos quatro anos.

Fusões e aquisições no setor imobiliário crescem 133%

O número de fusões e aquisições no setor imobiliário aumentou 133% em 2019, se comparado ao ano anterior. Com um acréscimo de 44 operações em relação ao volume apresentado em 2018 (33), o segmento concretizou 77 transações no último ano. Os dados são de pesquisa da KPMG realizada com 43 setores da economia brasileira.

 

Custos condominiais fecham 2019 com elevação de 5,41%, aponta Secovi-SP

Conforme apurado pelo departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), o Índice de Custos Condominiais (Icon) na Região Metropolitana de São Paulo registrou aumento de 5,41% no acumulado de 12 meses, referente ao período de janeiro a dezembro de 2019. O índice ficou abaixo da inflação do mesmo período que, de acordo com o IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado), da Fundação Getúlio Vargas, foi de 7,30%.

Assinar este feed RSS