Ibovespa acumulou alta de 4,27% na semana

  •  
Ibovespa acumulou alta de 4,27% na semana (Foto: Pexels) Ibovespa acumulou alta de 4,27% na semana

Alguns dados animaram os investidores na semana passada como, por exemplo, o avanço na criação de empregos, a aprovação da nova Lei de Falência, o aumento na arrecadação de impostos e, claro, a entrada de fluxo estrangeiro na nossa Bolsa. De acordo com agentes da Toro Investimentos, se os estrangeiros continuam comprando, o Ibovespa agradece, já que, pela quarta semana consecutiva. 

Na sexta-feira, 27, o Ibovespa fechou os negócios com alta de 0,32%, acompanhando a alta em Nova York que teve o encerramento antecipado em virtude de feriado. O índice fechou em alta de 0,32% aos 110.575,47 pontos. O volume financeiro somou R$ 27,739 bilhões. Na semana, o índice acumulou alta de 4,27%.

Lá fora, enquanto Trump entrega o governo para Binden, o mercado se animou com a divulgação de dados econômicos e com o nome de Janet Yellen, que volta a ser cotado para ocupar a cadeira como presidente do Federal Reserve (FED). 

E para finalizar a semana de promoções em grande estilo, no cenário corporativo algumas companhias foram às compras, como a Klabin, e outras de desapegar daquilo que não estava sendo usado, como Oi.

Agenda 

Na Bolsa brasileira, o clima favorável aos ativos de risco brasileiros persistiu. O que beneficiou especialmente os papéis de Blue Chips, como os de Vale (VALE3), de grandes bancos e de Petrobras (PETR4 ) - por apresentarem maior liquidez e terem maior peso no Ibovespa, acabam sendo mais atrativos aos investidores estrangeiros, que seguem bem animados na B3 (B3SA3).

No âmbito fiscal, tivemos uma notícia mais positiva em meio a tantas turbulências nesta esfera: a arrecadação de impostos e contribuições federais totalizou R$153,9 bilhões em outubro, configurando o melhor resultado para o mês desde 2014. Isso ocorreu devido à retomada da atividade, mas também ao recebimento de tributos que haviam sido adiados pela Receita Federal durante o período mais crítico da crise do coronavírus.

Entre os indicadores, a inflação medida pelo IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – Base 15) apresentou alta de 0,81% em novembro na comparação mensal, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), levando ao maior aumento para o índice num mês de novembro desde 2015 (quando subiu 0,85%), além de ter ficado acima das estimativas do mercado, que apontavam para avanço de 0,72%.

Além disso, o Senado aprovou a nova Lei de Falências para acelerar os processos de recuperação judicial no Brasil: a proposta revisa a renegociação de dívidas com o objetivo de evitar que empresas tenham que ser fechadas e decretarem falência. O texto já havia sido aprovado pela Câmara dos Deputados e, portanto, seguiu para sanção do Presidente Jair Bolsonaro.

Outros dados positivos vieram do mercado de trabalho brasileiro. De um lado, a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) apontou a criação de 394.989 empregos em outubro, muito acima da expectativa do mercado, que era de cerca de 220 mil novos postos. Contudo, ao contrário do dado do CAGED, a taxa de desemprego do IBGE tem mostrado alta contínua, pois é elaborada com metodologia diferente.

Dessa forma, segundo dados da PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal) divulgada pelo IBGE, o desemprego no País subiu para uma taxa recorde de 14,6% no terceiro trimestre de 2020, concluído em setembro. Embora seja um número alto para o desemprego no Brasil, ainda assim, o dado veio abaixo da expectativa do mercado, que estimava alta no desemprego de 14,8%.

Empresas

Na tarde de quinta-feira, 26, aconteceu o leilão das torres de telefonia móvel e data centers da Oi. A Companhia, que já vem adotando a estratégia de desinvestimentos, conseguiu uma arrecadação bilionária e pretende usar os recursos auferidos para auxiliar no seu plano de recuperação judicial. 

Começando pelas torres de telefonia móvel: quem levou foi a Highline do Brasil, que é um grupo estadunidense especialista em infraestrutura digital, sendo uma gigante em investimentos globais no setor. A Highline foi selecionada pela Oi como ofertante preferencial, e a oferta foi de R$1,067 bilhão, mas não teve briga de “quem dá mais”, ela levou. Já a unidade de data centers foi vendida por R$325 milhões para a Titan Venture Capital, mas sem briga também. Deu o lance, levou. 

Esse leilão dá continuidade aos planos de vender os ativos não estratégicos da Oi e, querendo ou não, a ação deu um belíssimo salto na semana, com OIBR4 registrando alta de 12,93% e OIBR3 12,64%, as duas agora operando na casa dos R$2,00. 

Por outro lado, você sabia que a Klabin não era dona do próprio nome? Pois essa saga chegou ao fim e a Klabin deu a notícia ao mercado como se fosse um presente antecipado de natal. A questão era a seguinte: a Sogemar era dona da marca, e a Klabin vivia uma longa história para acabar com o pagamento de royalties, mas pra isso alguma coisa precisaria ser feita, e foi. 

Numa Assembleia Geral Extraordinária que aconteceu na quinta-feira, 26, os acionistas da Klabin aprovaram a incorporação da Sogemar. Agora, a Klabin além de ser dona do próprio nariz (ou pelo menos do próprio nome) também passa a ser dona das outras seis marcas que eram da Sogemar. 
Essa transação ficou pela bagatela de R$336 milhões, isso porque os termos do acordo estabelecem que a Klabin pague a conta com a emissão de 69,4 milhões de ações ordinárias ao preço atual do mercado. 

Mas não pense que a Klabin se deu mal no negócio: como o pagamento de royalties era um percentual fixado da receita dos produtos mais vendidos da Companhia, a Klabin se viu pagando cada vez mais dinheiro conforme a Empresa crescia, e esse era um problema em termos de governança corporativa que precisava ser resolvido. Se no fim do ano, a gente começa a fazer o check list das metas cumpridas do ano, esse é um check que a Klabin já pode marcar.

(Redação – Investimentos e Notícias)