GM tem ano recorde de novas operações com aterro zero

GM tem ano recorde de novas operações com aterro zero Foto: Divulgação GM tem ano recorde de novas operações com aterro zero

A General Motors alcançou um número recorde de instalações aterro zero em 2016, ultrapassando a marca assumida quatro anos antes de 2020. A empresa opera agora 152 instalações globais que reciclam, reutilizam ou convertem para a energia todos os resíduos das operações diárias. São 52 instalações não-produtivas e 100 fábricas de manufatura que contribuem para a GM, impulsionando a eficiência, gerando receita e economizando dinheiro.

"Estamos empenhados em fabricar carros e caminhões para nossos clientes de forma segura e responsável", disse Alicia Boler Davis, vice-presidente global de manufatura da GM. "Enquanto aumentamos a reutilização de subprodutos, nossa visão é eliminar o desperdício aplicando os processos e tecnologias de fabricação mais avançados globalmente em nossas fábricas".

Quer se trate de reciclagem das garrafas de água utilizadas em Flint para serem isolamento da tampa do motor ou transformando os pneus jogados no Rio Mississippi em defletores de ar, a empresa está trabalhando em conjunto com seus fornecedores para avançar para uma economia mais circular, onde os materiais são mantidos em uso. A GM defende o uso do Mercado de Materiais, onde o lixo de uma empresa pode ser matéria-prima para outra.

Ao todo, a GM recicla ou reutiliza mais de 2 milhões de toneladas de subprodutos por ano. Se alguém colocasse esse material nas caçambas de Chevrolet Silverado e os estacionasse um na frente do outro, essa linha seria suficiente para dar a volta ao mundo.

A GM gerou até US$ 1 bilhão vindo de reciclagem nos últimos anos. A empresa reinveste esse dinheiro no negócio, incluindo o desenvolvimento de veículos eficientes em termos de combustível e em novas tecnologias que moldam o futuro da mobilidade pessoal e urbana. As instalações aterro zero resultam em maior eficiência operacional e eliminam os custos de transporte de resíduos. O reuso de resíduos em componentes do veículo ou em material para as fábricas significam que a empresa não tem que comprar material novo.

"Nós vemos a sustentabilidade como uma abordagem de negócios", disse John Bradburn, gerente global de Redução de Resíduos da GM. "Nós olhamos as maneiras que podemos crescer e fortalecer nossos negócios em longo prazo, e isso muitas vezes significa reduzir a nossa pegada ambiental, maximizando o benefício social."

Cerca de um terço dos locais aterro zero da GM são centros técnicos, armazéns e escritórios. Durante uma grande renovação em três instalações da GM em Michigan, a companhia se associou a empresa Herman Miller e Green Standards para reorientar os excedentes de ativos de escritório para se transformarem em mais de US$ 1 milhão de doações para cerca de 100 organizações comunitárias baseadas em Michigan.

(Redação - Agência IN)