Rendimento da Poupança Mensal - Março de 2019

  •  
Rendimento da Poupança Mensal - Março de 2019 Foto: Divulgação Rendimento da Poupança Mensal - Março de 2019

Com a queda dos juros básicos da economia em 2018 e no início deste ano, a caderneta de poupança passou a render menos.

Pela norma em vigor, há corte no rendimento da poupança sempre que a taxa Selic estiver abaixo de 8,5% ao ano. Nessa situação, a correção anual das cadernetas fica limitada a um percentual equivalente a 70% da Selic, mais a Taxa Referencial, calculada pelo Banco Central.

O rendimento mensal da Poupança em Março de 2019 foi de 0,3715% na regra nova, e de 0,5000% na regra antiga.

Hoje, a Taxa Selic está em 6,50% ao ano. Como a regra prevê que a correção da poupança seja de 70% da taxa, ela está hoje em 4,55% ao ano, mais Taxa Referencial.

Comparando a regra antiga com a nova é possível ver que a rentabilidade da poupança foi melhor para quem possui depósitos anteriores a 03 de maio de 2012.

Depois de ter registrado retirada líquida - mais saques que depósitos - nos dois primeiros meses do ano, a caderneta de poupança voltou a atrair o interesse dos brasileiros em março. No mês passado, a captação líquida - depósitos menos retiradas - somou R$ 1,85 bilhão. O valor representa queda de 53,4% em relação a março do ano passado, quando os depósitos tinham superado os saques em R$ 3,98 bilhões.

Mesmo com o recuo, a captação líquida atingiu o segundo melhor nível para meses de março desde 2013. Naquele mês, os depósitos tinham excedido as retiradas em R$ 5,96 bilhões. Em março de 2014, 2015 e 2016, a poupança tinha registrado saques líquidos - com os correntistas retirando mais do que depositando.

Apesar do desempenho positivo em março, as retiradas continuam maiores que os depósitos em 2018. No primeiro trimestre, a caderneta de poupança registrou saques líquidos de R$ 13,4 bilhões, contra saques líquidos de R$ 1,93 bilhão no mesmo período do ano passado.

Até 2014, os brasileiros depositavam mais do que retiravam da poupança. Naquele ano, as captações líquidas chegaram a R$ 24 bilhões. Com o início da recessão econômica, em 2015, os investidores passaram a retirar dinheiro da caderneta para cobrirem dívidas, num cenário de queda da renda e de aumento de desemprego.

Em 2015, R$ 53,57 bilhões foram sacados da poupança, a maior retirada líquida da história. Em 2016, os saques superaram os depósitos em R$ 40,7 bilhões. A tendência inverteu-se em 2017, quando as captações excederam as retiradas em R$ 17,12 bilhões.

Nos 12 meses terminados em março, a poupança rendeu 4,16%. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA)-15, que funciona como uma prévia da inflação oficial, acumula 4,18% no mesmo período.

Além de saber qual o rendimento da poupança mensal, é interessante conhecer a taxa de inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Veja tabela do IPCA e compare com o rendimento da poupança.

(Redação - Investimentos e Notícias)