Governança Corporativa em tempos de Lava Jato

A Operação contribuiu para que as organizações repensassem os seus modelos de negócio, com foco nos serviços de suporte à gestão transparente e eficiente Foto: Divulgação A Operação contribuiu para que as organizações repensassem os seus modelos de negócio, com foco nos serviços de suporte à gestão transparente e eficiente

O Brasil continua em destaque mundial por causa de seus escândalos políticos envolvendo companhias nacionais e internacionais. A Operação Lava Jato é um exemplo clássico de como uma grande estatal passou de maior empresa do país em patrimônio à agente principal de um esquema de lavagem de dinheiro – o mais comentado dos últimos tempos.

 

Apesar de ser um case de insucesso em gestão, a Operação Lava Jato contribuiu para que as organizações repensassem os seus modelos de negócio, com foco nos serviços de suporte à gestão transparente e eficiente. Além das organizações de capital aberto, destacam-se neste processo as Pequenas e Médias Empresas, que sentiram a necessidade de participar desse movimento junto com as grandes corporações a fim de manter o controle periódico de suas atividades.

“O cenário muda quando se trata de Governança Corporativa no universo das PME’s, pois podemos analisar duas categorias dentro dessa dimensão: as empresas com maturidade organizacional e as que nasceram pequenas, mas continuam imaturas mesmo tendo crescido em termos de mercado. Neste segundo caso, por vezes estas empresas são provenientes de ecossistema de startups”, revela Adriana Almeida, sócia-gerente da De Biasi. “Dependendo da análise de cada estrutura, o desenho de implantação do sistema de gestão terá as suas particularidades e um tempo muito maior para que a empresa entenda e aplique uma nova cultura em seu meio”.

A executiva acrescenta que o papel da consultoria é apoiar as organizações no que tange à conformidade com as leis vigentes e melhores práticas de mercado e que em tempos de Lava Jato pôde-se sentir um aumento na demanda por serviços que envolvem a implantação e melhoria de procedimentos e processos e conformidade fiscal. “Contudo, a demanda ainda é incipiente e contrasta com o alto potencial de mercado que essas pequenas organizações possuem – com forte participação na atividade econômica brasileira”, salienta.

Preceitos da Governança Corporativa

O desdobramento da Operação Lava Jato é parte de uma estratégia de Governança Corporativa malsucedida e se reflete em todos os âmbitos empresariais, inclusive na geração de valor de uma empresa. Adriana destaca que os preceitos básicos que tornam uma corporação transparente no mercado é a objetividade, honestidade, competência e bom comportamento profissional, sendo a transparência a principal base da Governança. “Pode parecer clichê, mas o que podemos extrair do cenário atual é que nem sempre a aparência da empresa está alinhada ao que ela realmente comunica no mercado”.

Neste cenário, o compliance se torna um dos grandes agentes responsável pela mudança de pensamento e cultura. “O nosso desafio na De Biasi é contribuir com as empresas na identificação e mapeamento de riscos, acompanhar o relacionamento com os reguladores governamentais e novas medidas da legislação tributária brasileira”, finaliza a executiva.

Confira as principais vantagens da Governança Corporativa:

TRANSPARÊNCIA

A falta de conhecimento ou incongruências na comunicação/administração da empresa pode afetar a saúde dos seus negócios. A transparência é a base da Governança Corporativa.

CAPITAL HUMANO

Com os processos definidos, a empresa passa a ter uma melhor estrutura de capital humano em que são levados em consideração a atratividade, retenção e sucessão de talentos. Essas práticas ajudam a tornar a empresa mais competitiva, pois seus colaboradores, gestores, gerentes, proprietários, fornecedores e clientes se tornam os porta-vozes/embaixadores da empresa.

PRESTAÇÃO DE CONTAS

Possui forte vínculo com ações de compliance, na qual as empresas assumem integralmente as consequências de seus atos e omissões. A Prestação de Contas garante lisura interno-externa, sendo que o papel das auditorias externas é o de acompanhar periodicamente este processo para que não haja erros.

COMPLIANCE

Esta área desempenha um papel importante na saúde dos negócios, garante o cumprimento das leis vigentes, promove a segurança dos dados e zela pela integridade da empresa. Gerencia o relacionamento com os reguladores governamentais e acompanha novas medidas legislativas.

DEFINIÇÃO SUCESSÓRIA

De quem é a palavra final? Neste tópico identificamos a importância de se ter um plano definido de sucessão. Com a Governança Corporativa, é possível estabelecer uma hierarquia empresarial em que os colaboradores saibam claramente para quem responder. Além disso, é importante que a empresa esteja precavida de possíveis acontecimentos em que haja a necessidade de sucessão instantânea de seu corpo diretivo.

(Redação - Agência IN)