Produção industrial recua em 11 locais no mês de junho, revela IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou nesta quarta-feira, 06, que a redução no ritmo da produção industrial nacional na passagem de maio para junho, série com ajuste sazonal, foi acompanhada por 11 dos 14 locais pesquisados, com destaque para os recuos mais acentuados assinalados por Amazonas (-9,3%), Paraná (-7,5%), Pernambuco (-7,4%) e Ceará (-5,4%). Amazonas registrou perda de 19,2% em quatro meses seguidos de queda na produção; Paraná reverteu o avanço de 0,7% verificado no mês anterior; Pernambuco acumulou recuo de 8,9% entre os meses de abril e junho; e Ceará interrompeu dois meses consecutivos de crescimento na produção, período em que acumulou expansão de 0,8%. Região Nordeste (-4,4%), Santa Catarina (-4,0%), Rio Grande do Sul (-2,3%), Pará (-2,0%) e Minas Gerais (-1,7%) também apontaram taxas negativas mais intensas do que a média nacional (-1,4%), enquanto Bahia (-1,1%) e São Paulo (-1,0%) mostraram quedas mais moderadas. Por outro lado, Rio de Janeiro (5,4%) e Espírito Santo (3,5%) assinalaram as maiores expansões nesse mês, com o primeiro local interrompendo três meses consecutivos de queda na produção, período em que acumulou recuo de 7,0%, e o segundo eliminando a redução de 1,1% registrada no mês anterior. Goiás, com variação positiva de 0,4%, completou o conjunto de locais que mostraram taxas positivas em junho de 2014.

Indústria: utilização da capacidade instalada diminui, diz CNI

A utilização da capacidade instalada na indústria (UCI) ficou em 80,1% em junho, ante 80,6 % registrado em maio. Os dados foram divulgados hoje (5) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com Fábio Guerra, economista da CNI, a utilização da capacidade instalada teve em junho o menor percentual desde abril de 2009, logo após o início da crise. O faturamento real da indústria caiu 5,7% e as horas trabalhadas na produção tiveram queda de 3% em junho na comparação com maio, na série livre de influências sazonais.

Balança comercial tem superávit de US$ 1,575 bilhão em julho

A balança comercial brasileira apresentou superávit (exportações maiores que importações) de US$ 1,575 bilhão em julho. O resultado deveu-se a US$ 23,025 bilhões em exportações e US$ 21,450 bilhões em importações. Com o saldo positivo, o déficit acumulado no ano caiu de US$ 1,9 bilhão para US$ 916 milhões. Os dados foram divulgados hoje (1°) pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Produção industrial recua em junho, revela IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou nesta sexta-feira, 01, que em junho de 2014, a produção industrial nacional mostrou decréscimo de 1,4% frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, quarto resultado negativo consecutivo nesse tipo de confronto, acumulando nesse período perda de 3,4%. 

Produção industrial cai em junho, aponta CNI

A produção industrial registrou queda em junho, ficando em 39,6 pontos, contra 48,4 pontos em maio deste ano e 46 pontos no mesmo mês de 2013. O patamar é o menor desde o início da medição do índice, em 2010. O dado está na Sondagem Industrial divulgada hoje (18) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Além do recuo na atividade, a pesquisa aponta redução no número de empregados e na utilização da capacidade instalada e elevação nos estoques. Para a CNI, houve influência da Copa do Mundo, mas outros fatores também contribuíram para as quedas. A CNI avalia que há aprofundamento de um quadro negativo.

Emprego industrial recua em maio, revela IBGE

Nesta sexta-feira, 11, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que em maio de 2014, o total do pessoal ocupado assalariado na indústria mostrou queda de 0,7% frente ao patamar do mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, após variar -0,4% em abril. Com esses resultados, o índice de média móvel trimestral apontou variação de -0,3% no trimestre encerrado em maio de 2014 frente ao patamar assinalado no mês anterior, e manteve a trajetória descendente iniciada em abril do ano passado. Na comparação com maio de 2013, o emprego industrial mostrou queda de 2,6% em maio de 2014, 32° resultado negativo consecutivo nesse tipo de confronto e o mais intenso desde novembro de 2009 (-3,7%). No índice acumulado para os cinco primeiros meses de 2014, o total do pessoal ocupado na indústria assinalou recuo de 2,2. A taxa anualizada, índice acumulado nos últimos 12 meses, ao recuar 1,7% em maio de 2014, manteve a trajetória descendente iniciada em setembro do ano passado (-1,0%).

Produção industrial recua em 7 locais pesquisados em maio

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou nesta quinta-feira, 10, que a redução no ritmo da produção industrial nacional entre abril e maio, na série com ajuste sazonal, foi acompanhada por sete dos quatorze locais pesquisados, com destaque para Amazonas (-9,7%), Bahia (-6,8%) e Região Nordeste (-4,5%). O Amazonas acumulou recuo de 11,1% em dois meses seguidos de queda, a Bahia eliminou a expansão de 5,0% acumulada entre fevereiro e abril e o Nordeste reverteu o avanço de 0,4% verificado no mês anterior. Rio de Janeiro (-1,6%), Espírito Santo (-1,4%) e Rio Grande do Sul (-1,0%) também tiveram recuos mais intensos que a média nacional (-0,6%), enquanto Pernambuco (-0,2%) mostrou queda mais moderada. Por outro lado, Pará (4,2%) e Goiás (2,1%) assinalaram as maiores expansões em maio e avançaram pelo quarto mês seguido. Com isso, o Pará acumulou ganho de 12,4% e Goiás cresceu 10,2%. Ceará (1,2%), Paraná (1,1%), São Paulo (1,0%), Minas Gerais (0,5%) e Santa Catarina (0,3%) completaram o conjunto de locais com taxas positivas no mês.

Utilização da capacidade instalada recua em maio

As horas trabalhadas na produção caíram 0,4%, o emprego recuou 0,3% e a massa real de salários na indústria diminuiu 0,9% em maio na comparação com abril na série livre de influências sazonais. O rendimento real do trabalhador e o nível de utilização da capacidade instalada também diminuíram, o que confirma a retração da atividade na indústria. As informações são da pesquisa Indicadores Industriais, divulgada nesta quinta-feira (3), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Assinar este feed RSS