Indicador de incerteza da economia cai em setembro

O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas caiu 14,5 pontos em setembro de 2020, para 145,8 pontos. Em médias móveis semestrais, o indicador recuou 3,6 pontos, após manter tendência de alta desde janeiro deste ano.

  • Publicado em Economia

Indicador Antecedente sobe 1,1% em agosto

O Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (IACE), publicado em parceria entre a FGV IBRE e The Conference Board (TCB), subiu 1,1% em agosto para 117,8 pontos, 2,2 pontos abaixo do período pré-pandemia no Brasil (fevereiro de 2020). Quatro das oito séries componentes contribuíram para a alta do indicador, com a maior contribuição vindo do Índice de Expectativas da Indústria.

 

  • Publicado em Economia

A prévia da incerteza da economia sinaliza uma queda

A prévia do Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas sinaliza uma queda de 6,1 pontos em setembro, para 154,2 pontos. O resultado representaria uma aceleração da tendência de queda em relação ao mês passado, quando o indicador havia recuado apenas 3,4 pontos. Após o quinto mês em queda, o IIE-Br devolveria 59% da alta de 95,4 pontos observada no bimestre março-abril.

  • Publicado em Economia

Prévia do IIE-Br sinaliza tendência de desaceleração

A prévia do Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas sinaliza uma queda de 2,2 pontos em agosto, para 161,7 pontos. Após o quarto mês em queda, o IIE-Br devolveria 51% da alta de 95,4 pontos observada no bimestre março-abril.

Indicador de Incerteza da Economia sinaliza queda em julho

Em apuração preliminar, com dados coletados entre 26 de junho e 9 de julho, o Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br) da Fundação Getulio Vargas sinaliza uma queda de 7,3 pontos em julho, para 166,3 pontos. Após o terceiro mês em queda, o IIE-Br devolveria 46% da alta de 95,4 pontos observada no bimestre março-abril.

Alívio do distanciamento social ajuda na recuperação do varejo, aponta MUFG

De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quarta-feira, 8, em maio de 2020, o comércio varejista nacional cresceu 13,9% frente a abril, na série com ajuste sazonal, após recuo recorde de 16,3% em abril. Segundo o IBGE, essa é a maior alta da série histórica da pesquisa, iniciada em janeiro de 2000.

Indicador Antecedente sobe em maio

O Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (IACE), publicado em parceria entre a FGV IBRE e The Conference Board (TCB), subiu 1,0% em maio para 94,7 pontos, após recuar mais de 16% no mês anterior. A variação acumulada nos últimos seis meses também ficou negativa, em 20,2%. Das oito séries componentes, os três Índices de Expectativas - Serviços, Indústria e Consumidores – foram os que mais contribuíram positivamente para o resultado.

Assinar este feed RSS