Vendas de cerveja da Ambev no Brasil crescem 2,9% no 2T19 e lucro aumenta 16%

  •  
Vendas de cerveja da Ambev no Brasil crescem 2,9% no 2T19 e lucro aumenta 16% Foto: Divulgação Vendas de cerveja da Ambev no Brasil crescem 2,9% no 2T19 e lucro aumenta 16%

Após um excelente começo de ano, a Cervejaria Ambev voltou a registrar evolução em seus principais indicadores financeiros no segundo trimestre de 2019. No Brasil, o volume de cerveja vendido teve alta de 2,9%, impulsionado, sobretudo, pelo crescimento de dois dígitos de seu portfólio premium global – Budweiser, Stella Artois e Corona. No mercado brasileiro, a receita líquida de cervejas aumentou 6,7%, com alta de 3,7% na receita por hectolitro.

Considerando a operação consolidada, a receita líquida da Ambev cresceu 7,2%, atingindo R$ 12,1 bilhões. O lucro líquido foi de R$ 2,71 bilhões -- um aumento de 16,1%. Os volumes cresceram 0,8%, somando 36,8 milhões de hectolitros, com elevação de 6,3% na receita por hectolitro.

Os resultados apresentados neste trimestre são consequência direta do investimento da companhia em suas plataformas estratégicas, especialmente no fortalecimento de seu portfólio premium e das famílias de marcas como Brahma e Skol.

Entre as novidades do segundo trimestre, estão o lançamento da cerveja alemã Beck’s e da Colorado Ribeirão Lager, que passou a integrar o portfólio da Colorado – além das inovações com as novas embalagens de Budweiser e Stella Artois.

Esses movimentos contribuíram para a manutenção do ótimo desempenho das marcas premium globais da Ambev. A Stella Artois cresceu acima de 50% no período. Pelo segundo trimestre consecutivo, a Corona mais que dobrou seus volumes. A marca também protagonizou uma das mais bem-sucedidas campanhas da Ambev em 2019: a Listen to the Ocean, cujo objetivo era chamar a atenção para os problemas ambientais causados pelo despejo de plástico nos oceanos. A campanha atingiu 4 milhões de visualizações nas redes sociais.

Budweiser manteve a estratégia de oferecer novas experiências aos consumidores, como a NBA House, que transmitiu as finais do campeonato da liga americana de basquete, e o Bud Basement, que voltou para a Copa América CONMEMBOL 2019 após o sucesso obtido na Copa do Mundo Fifa 2018.

No portfólio nacional, a Original destacou-se na categoria premium, com crescimento de dois dígitos no trimestre. A Brahma, por sua vez, manteve o ritmo de aumento de vendas. O destaque no período foi o lançamento do reality show “O Próximo Número Um”, produzido para redes sociais em parceria com o VillaMix Festival. O programa já é o maior reality show para redes sociais produzido no Brasil, com mais de 157 milhões de visualizações. A marca também estrelou uma nova campanha para a Copa do Mundo Feminina com a jogadora Marta e patrocinou a Copa América CONMEMBOL 2019. A Skol Puro Malte, que reforçou a família da marca de cerveja mais vendida do país, também atingiu ótimos resultados em seu desdobramento nacional após ter sido a sensação do Carnaval nas principais praças.


Depois do sucesso das cervejas regionais Nossa (Pernambuco) e Magnífica (Maranhão), a Ambev lançou em junho a Legítima, no Ceará. Assim como a Nossa e a Magnífica, a Legítima é produzida com mandioca plantada por famílias de pequenos agricultores locais, fomentando a economia regional ao mesmo tempo em que oferece uma opção barata e de qualidade para os consumidores.

“Os resultados deste segundo trimestre são muito animadores e nos dão ainda mais confiança para seguir com nossa estratégia de construção de portfólio”, diz Fernando Tennenbaum, vice-presidente financeiro e de relações com investidores da Ambev. “Temos convicção de que o jogo do mercado será ganho pela empresa que oferecer o mais diverso número de opções de qualidade para atender a todos os tipos de consumidor. Hoje, essa empresa é, sem dúvida, a Ambev.”

Considerando todas as operações da companhia no Brasil, que incluem vendas de cerveja e bebidas não alcoólicas, categoria que teve um avanço importante, a receita líquida cresceu 7,8% no trimestre, atingindo R$ 6,2 bilhões. No período, o volume aumentou 3,6%, com elevação de 4,1% na receita por hectolitro.

Também houve avanço nos mercados internacionais da cervejaria. O EBITDA (lucro antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) da região CAC (América Central e Caribe) no segundo trimestre foi de R$ 811,1 milhões -- 33,9% acima do mesmo período do ano passado. A receita líquida da região cresceu 11,6% e o volume, 5,7%. Na Zona LAS (Latin America South), a receita líquida subiu 10,6% no trimestre e o EBITDA atingiu R$ 841,3 milhões (1,9% acima do registrado no segundo trimestre de 2018).

(Redação - Investimentos e Notícias)