Varejo ampliado tem retração de 3,5% em fevereiro, aponta ICVA

Mesmo com o calendário desfavorável, fevereiro surpreendeu positivamente e apresentou a menor queda de vendas desde junho de 2016 Foto: Divulgação Mesmo com o calendário desfavorável, fevereiro surpreendeu positivamente e apresentou a menor queda de vendas desde junho de 2016

receita de vendas do comércio varejista brasileiro apresentou queda de 3,5% em fevereiro em relação ao mesmo período do ano passado, depois de descontada a inflação. A retração é a menor desde junho de 2016. Os dados são do Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), divulgado nesta quarta-feira (15).



“Podemos interpretar o resultado de fevereiro como positivo para o varejo, dado que esperávamos uma retração maior, por conta do efeito de calendário, já que o ano passado foi bissexto e teve um dia a mais”, observa Gabriel Mariotto, gerente da área de inteligência da Cielo.

Descontados os efeitos de calendário de fevereiro, o desempenho do varejo no mês do Carnaval teria sido 2,4 pontos percentuais maior, com retração de 1,1%. “Este índice de retração ajustado está no mesmo nível do que observamos em julho de 2015, quando o patamar de queda do varejo ainda não era tão forte quanto foi em 2016”, completa Mariotto.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado pelo IBGE, registrou alta de 4,76% no acumulado dos últimos 12 meses encerrados em fevereiro, enquanto janeiro havia registrado 5,35%.

Assim, ponderando o IPCA pelos setores e pesos do varejo ampliado, houve uma desaceleração da inflação no varejo de 5,0% em janeiro para 4,3% em fevereiro.

Neste mês, a desaceleração da inflação continuou impulsionada pelo grupo de produtos alimentícios, que impacta principalmente o setor de Supermercados e Hipermercados.

Assim como ocorreu no último mês, em fevereiro o ICVA apontou retração em praticamente todos os setores do varejo na comparação com o mesmo período do ano passado. A exceção foi o setor de Turismo e Transportes.

A diferença é que a maioria dos setores teve uma melhora no ritmo de vendas, apresentando uma retração menor que a de janeiro.

O grupo de setores de Serviços foi o que registrou melhor performance no mês de fevereiro, puxada pelo crescimento de Turismo e Transportes comentado acima.

O conjunto de setores de Bens não Duráveis – que inclui Supermercados e Hipermercados, Drogarias e Farmácias, Postos de Combustíveis, entre outros -, embora ainda com retração, apresentou aceleração expressiva, principalmente por conta do melhor desempenho de Supermercados e Hipermercados.

Por fim, o bloco de Duráveis e Semiduráveis também teve melhora de ritmo na passagem de janeiro para fevereiro, puxada pelo setor de Vestuário.

Em fevereiro, as regiões Nordeste e Centro-Oeste apresentaram retrações de 4,0% e 3,6%, respectivamente. O varejo ampliado no Sudeste registrou retração de 3,3% no período, seguido pelas regiões Norte e Sul, com baixas de 2,8% e 2,4%, respectivamente.

(Redação - Agência IN)