Tribanco encerra 2017 com lucro líquido de R$ 73,3 mi

  •  
Tribanco encerra 2017 com lucro líquido de R$ 73,3 mi (Foto: Divulgação) Tribanco encerra 2017 com lucro líquido de R$ 73,3 mi

O Banco Triângulo S.A. (Tribanco) fechou 2017 com aumento de seu lucro líquido em 7,6%, passando dos R$ 68,1 milhões do ano anterior para R$ 73,3 milhões. No período, o banco teve elevação de seu patrimônio líquido, que passou de R$ 441 milhões para R$ 483 milhões.

Em novembro de 2017, a Fitch elevou os Ratings Nacionais Longo e de Curto Prazos do Tribanco de A- (BRA) para A (BRA) para refletir a crescente rentabilidade apresentada pelo banco desde 2014, mesmo diante do ambiente econômico desafiador. A avaliação da agência também reflete a confortável capitalização, o prudente gerenciamento de risco e a adequada qualidade de ativos do Tribanco, que encerrou 2017 com ativos totais de R$ 2,498 bilhões, 7,5% a mais do que o registrado em 2016.

O ano de 2017 foi para o Tribanco, sobretudo, um ano de encerramento de um bem-sucedido ciclo de gestão, sob liderança de João Ayres Rabello Filho. Nos últimos oito anos, o Tribanco entregou resultados consistentes. Rabello deixa a presidência e passa a ocupar o cargo de vice-presidente da holding controladora, além do cargo de membro do Conselho de Administração do Tribanco. Na posição de presidente, Edson Nassar, executivo experiente com quase 30 anos de atuação em instituições financeiras sólidas e de renome, assume o desafio de posicionar o Tribanco como o mais completo parceiro do varejo brasileiro.

A chegada de Edson Nassar pontua um momento de expansão e ampliação dos negócios do Tribanco e suas empresas coligadas. Durante todo o segundo semestre de 2017, o Tribanco estruturou suas operações para a ampliação de suas atividades. Houve investimento na estruturação do backoffice, nos controles, na governança, e, especialmente, em softwares com atuação na área de risco, deixando o banco apto para aumentar exponencialmente o relacionamento com seus clientes, e, consequentemente, no número de contas e clientes.

“Sem deixar de atender pequenos e médios varejistas – nossa operação principal -, as empresas do Tribanco passarão a se relacionar, por meio de uma plataforma digital, também aos clientes do entorno dos varejistas. Funcionários destes estabelecimentos, seus clientes, os moradores deste entorno, empresas vizinhas - desde lojistas a profissionais autônomos - passam a ser potenciais clientes do Tribanco e estão aptos a ter uma conta corrente, crédito e demais produtos e soluções financeiras oferecidas por nossas empresas. Assim vamos possibilitar e acelerar a inclusão financeira das comunidades”, afirma Edson Nassar, presidente do Tribanco.

O presidente explica que o Tribanco da era digital é um banco completo, segue oferecendo soluções financeiras ao pequeno e médio varejista, soluções de proteção para o patrimônio e os ativos e soluções de crédito aos consumidores, que agora passam a ter também meios para realizar transações financeiras. “O Tribanco se prepara para ser a melhor opção de banco para micro, pequenas e médias empresa nas regiões em que atua e, também, para as pessoas físicas dessa comunidade”, diz o executivo.

(Redação-  Investimentos e Notícias)