TOTVS cresce 10% em receita recorrente no 3T17

TOTVS cresce 10% em receita recorrente no 3T17 (Foto: Divulgação) TOTVS cresce 10% em receita recorrente no 3T17

A TOTVS anunciou os resultados do terceiro trimestre de 2017 (3T17). A receita recorrente da companhia registrou aumento de 10% na comparação com 3T16 e totalizou R$ 368 milhões. O crescimento orgânico de dois dígitos foi impulsionado principalmente pela força do modelo de subscrição. A evolução da receita recorrente também contribuiu para a elevação da receita líquida em 4,6%, em relação ao mesmo período de 2016, que totalizou R$ 537 milhões no período.

Pelo quinto trimestre consecutivo, a receita de software superou a do trimestre anterior, totalizando R$ 371 milhões - 7,4% superior ao 2T17 -, e consequência do crescimento de 34,4% de subscrição, que somou R$ 79 milhões. Essa alta foi resultado, essencialmente, das vendas a novos clientes de médio e pequeno portes, especialmente na modalidade TOTVS Intera.

“São quase cinco mil novos clientes de subscrição conquistados este ano, o que levou ao crescimento de 42% da receita recorrente em 2017. Número que representa 1/3 da receita de manutenção dos últimos 12 meses. Esse desempenho demonstra que a transição do modelo de licenciamento para o modelo de subscrição avançou significativamente”, destaca Gilsomar Maia, CFO e diretor de Relações com Investidores da TOTVS.

Como consequência dessa transição para subscrição, a estrutura de custos e despesas tem apresentado crescimento superior ao da receita enquanto a base instalada de subscrição é construída, levando à redução do lucro líquido ajustado de R$ 45 milhões no 3T16 para R$ 22 milhões no 3T17. A despeito da menor lucratividade, a companhia reduziu sua dívida líquida em 25% no período.

“A TOTVS está passando pela transformação digital e se adaptando à realidade de crescimento de receita baseada em software como serviço, sem comprometer sua capacidade de crescimento e inovação, o que tende a colaborar para a elevação da rentabilidade no médio e longo prazo”, reforça o CFO.

(Redação – Agência IN)