Thyssenkrupp apresenta resultados positivos e mantém aposta em estratégia regional

  •  
Apoiada em estratégia de negócios global, que tem o Brasil como um dos focos, empresa cresce mais de 7% no país e continua buscando a abertura de novos mercados Foto: Divulgação Apoiada em estratégia de negócios global, que tem o Brasil como um dos focos, empresa cresce mais de 7% no país e continua buscando a abertura de novos mercados

Uma das líderes mundiais em tecnologias e materiais para a indústria, a thyssenkrupp registrou faturamento de R$ 9,9 bilhões no Brasil no ano fiscal que compreende outubro de 2014 a setembro deste ano. Isso representa um crescimento de mais de 7% em relação ao mesmo período do exercício anterior, e reflete a estratégia de negócios global adotada nos últimos anos, que tem como objetivo a integração das áreas de negócios, a diversificação da atuação da empresa e a abertura de novos mercados.

"Assim como em nível global, nossa estratégia de diversificação vem sendo implementada de forma muito bem-sucedida aqui no Brasil. Esse bom desempenho é também consequência da integração e sinergia entre as unidades e a adoção de melhorias operacionais nas fábricas", comenta Michael Höllermann, CEO da thyssenkrupp na América do Sul.

A transformação pela qual a companhia vem passando também se reflete no lançamento de sua nova marca, que apresenta slogan, promessa de marca e identidade visual únicos para todas as unidades da companhia ao redor do mundo. "Queremos consolidar uma imagem unificada no mercado e ser reconhecidos como uma empresa industrial diversificada, que gera valor agregado por meio do investimento constante em inovação e em novas tecnologias que atendam às demandas atuais e futuras de nossos clientes", acrescenta Höllermann.

Com relação a novos investimentos, a thyssenkrupp mantém a previsão de investir até R$ 2 bilhões no Brasil nos próximos cinco anos. Seguindo a demanda de mercado, esse capital terá como foco a implantação de novas linhas e tecnologias na área de componentes, melhorias operacionais na CSA, entre outros.

(Redação - Agência IN)