Taxas de juros recuam em novembro, mostra BC

  •  
Taxas de juros recuam em novembro, mostra BC (Foto: Divulgação) Taxas de juros recuam em novembro, mostra BC

Em novembro, o custo médio das operações de crédito ativas do Sistema Financeiro Nacional, aferido pelo Indicador de Custo do Crédito (ICC), situou-se em 21,7% a.a. (-0,1 p.p. no mês e -1,5 p.p em doze meses), com redução no crédito livre (-0,4 p.p., para 35,5%) e estabilidade no direcionado (em 8,9% a.a.), segundo dados do Banco Central (BC).

O spread do ICC (spread da carteira), que corresponde à diferença entre o ICC e o custo de captação médio das operações ativas na carteira de crédito, situou-se em 14,4 p.p. no mês (estável no mês, com recuo de 0,4 p.p. em doze meses), registrando redução no crédito livre (-0,2 p.p., para 26,3 p.p.) e estabilidade no direcionado (em 3,5 p.p.).

A taxa média de juros das operações de crédito do sistema financeiro, que se refere às operações contratadas no mês, situou-se em 26,8% a.a. em novembro (-0,6 p.p. no mês e -6,4 p.p. em doze meses). Na carteira livre, o custo médio alcançou 42,7% (-0,9 p.p. no mês e -11,4 p.p. em doze meses), enquanto na de recursos direcionados, 9,3% (-0,5 p.p. e -1,3 p.p., nos mesmos períodos).

Nas operações com famílias, a taxa situou-se em 33,4% a.a. (-0,8 p.p. mês e -9,8 p.p. doze meses). Nas contratações livres, redução mensal de 1,4 p.p., para 58,1%, destacando-se crédito não consignado (-6,1 p.p.), cartão regular (-2,8 p.p.) e cartão não regular (-3,2 p.p.). No direcionado, destaque para a redução de 0,8 p.p. no custo dos financiamentos imobiliários com taxas reguladas, para 7,4% a.a.

Na carteira de pessoas jurídicas, a taxa média alcançou 17,7% a.a. (-0,3 p.p. no mês e -3,3 p.p. em doze meses). No segmento livre, situou-se em 22,9% (-0,4 p.p. no mês), com diminuição do custo de contratação em diversas modalidades. No direcionado, queda de 0,3 p.p., para 11,4% a.a.

O spread geral do sistema financeiro, calculado a partir das taxas de juros das contratações no mês, situou-se em 20,0 p.p. em novembro (-0,5 p.p. no mês e -3,6 p.p. em doze meses). No crédito livre, o indicador alcançou 34,2 p.p. (-1 p.p. no mês), enquanto no direcionado, 4,3 p.p. (-0,3 p.p.). O spread para os tomadores pessoas físicas declinou 0,7 p.p., para 26,7 p.p., enquanto para pessoas jurídicas, -0,3 p.p., para 10,7 p.p.

A taxa de inadimplência das operações de crédito do sistema financeiro, considerados atrasos superiores a noventa dias, atingiu 3,6% da carteira, mantendo-se praticamente estável (-0,1 p.p. no mês), situando-se em 3,8% no segmento de famílias e em 3,3% no de empresas. Nas operações com recursos livres e direcionados, recuos de 0,1 p.p. nas taxas de ambos os segmentos, que se situaram em 5,3% e em 1,8%, respectivamente.

(Redação – Investimentos e Notícias)