Queda dos juros é acertada mas crescimento depende de urgência na reforma da previdência, diz FIRJAN

O Copom tem conduzido de forma acertada o processo de redução da taxa de juros. A economia tem mostrado sinais mais claros e disseminados de recuperação, ao mesmo tempo em que as expectativas para a inflação permanecem estáveis e dentro das metas estabelecidas. Na indústria, a produção está em crescimento após registrar treze trimestres consecutivos de queda.

"O Banco Central está com a preocupação errada", diz Skaf

Com queda de apenas 1 ponto porcentual na taxa, não há dúvida de que o Banco Central está reduzindo a Selic muito mais devagar do que poderia. Afinal, a inflação está em queda e, hoje, a projeção do mercado é de que encerre 2017 em 3,3%, mais do que 1 ponto percentual abaixo da meta de 4,5%. Além disso, a retomada do crescimento é fraca -segundo o boletim Focus, do próprio BC, o PIB deve crescer apenas 0,33% este ano-, e o emprego não está reagindo. Continuamos com 14 milhões de desempregados.

Copom anuncia maior corte na taxa Selic em oito anos

O COPOM (Comitê de Política Monetária) do Banco Central do Brasil esteve reunido nos últimos dois dias para decidir a nova taxa de juros básica, a Selic. Com maior corte desde 2009, a taxa vai a 11,25% - uma redução de 100 pontos base do porcentual anterior.

Assinar este feed RSS