Bancos centrais e os ETFs aumentam a demanda do ouro no 1T19

A demanda global pelo ouro cresceu para 1.053,3 t, no primeiro trimestre de 2019, um aumento de 7% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com o último relatório de Tendências da demanda do ouro do World Gold Council. Este aumento ano a ano se deveu, em grande parte, ao crescimento contínuo nas compras dos bancos centrais, bem como ao crescimento dos fundos negociados em bolsa (ETFs) apoiados pelo ouro.

Moeda bitcoin supera o volume de negociação do ouro no Brasil

No primeiro semestre de 2016, o volume de negociações com a moeda digital bitcoin nas bolsas brasileiras ultrapassou o do ouro na BM&F. Mais de R$ 164 milhões foram movimentados nas bolsas da moeda digital durante o período, segundo o site BitValor . O ouro, por usa vez, teve cerca de R$ 153 milhões. Para se ter uma ideia, especificamente no mês de julho, o volume transacionado de bitcoin foi duas vezes maior que o metal dourado. A marca é considerada inédita e histórica, o que comprova o forte crescimento do bitcoin no Brasil.

Ganhos com ouro chegam a 23,59%, perdendo apenas para o dólar em 2015

As negociações com ouro acumularam, em 2015, ganhos de 23,59% na comparação com o ano anterior, perdendo apenas para o dólar, de acordo com o Banco do Brasil (BB), o principal custodiante de ouro do mercado brasileiro, com quase um terço do volume negociado. No banco, o volume negociado chegou a R$ 93 milhões referentes a 2.306 contratos.

Procura por barras de ouro aumenta demanda de segurança financeira

A Ourominas, instituição financeira que atua na comercialização de moedas e ouro, registrou um incremento de 20% na procura por barras de ouro desde o início do ano, com maior ênfase nas últimas semanas. A demanda é consequência da preocupação dos investidores – pessoas físicas e jurídicas – em proteger o patrimônio em um cenário de instabilidade política e econômica.

Assinar este feed RSS