Faturamento das MPEs paulistas recua 8,3% em outubro

As micro e pequenas empresas (MPEs) do Estado de São Paulo registraram queda de 8,3% no faturamento real (já descontada a inflação) em outubro deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. A receita total das MPEs foi de R$ 49,8 bilhões, uma diminuição de R$ 4,3 bilhões no confronto de outubro com igual mês de 2015. Os dados são da pesquisa Indicadores Sebrae-SP. Considerando esses números e o cenário geral da economia, o Sebrae-SP estima que as MPEs registrarão até o final de 2016 perda de 10% a 12% na receita real sobre 2015.

Demanda por crédito das MPEs cai 7% em outubro, mostra SPC Brasil

Dados do indicador mensal calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes (CNDL) mostram que a intenção dos micro e pequenos empresários (MPEs) em procurar crédito pelos próximos 90 dias caiu 6,76% no último mês de outubro frente o mesmo período do ano passado, atingindo 12,26 pontos na escala que varia de zero a 100. Quanto mais próximo de 100, maior é a propensão desses empresários a procurarem crédito e, quanto mais próximo de zero, menos propensos eles estão para tomar recursos emprestados para os seus negócios.

  • Publicado em Crédito

Faturamento das MPEs tem 20ª queda mensal consecutiva

Em agosto, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas chegaram a 20ª queda mensal consecutiva no faturamento. De acordo com a pesquisa Indicadores Sebrae-SP, a receita real (já descontada a inflação) caiu 10,6% em relação ao mesmo mês de 2015. Em conjunto, as MPEs do Estado faturaram R$ 48,6 bilhões em agosto, ou R$ 5,8 bilhões a menos na comparação com um ano antes. O resultado negativo é consequência da fraca demanda na economia, com desemprego em alta.

MPEs detêm 53,5% dos empregos e 27,1% do faturamento do comércio brasileiro, aponta FecomercioSP

Das 1.647 mil empresas do comércio no País, 96,3% são de pequeno e médio porte, as quais - são responsáveis por 53,5% dos empregos e 27,1% da receita do segmento. Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), as micro e pequenas empresas exercem um papel fundamental na economia brasileira e o foco do setor público deve ser o de proporcionar condições para viabilizar seu crescimento e, consequentemente, que se tornem empresas de maior porte ao longo do tempo - ao contrário do que ocorre hoje, quando mais de 50% das micro e pequenas empresas encerram suas atividades com até cinco anos de vida.

Cresce pontualidade de pagamentos entre as MPEs

Os pagamentos das micro e pequenas empresas ficaram mais pontuais de julho para agosto. Segundo a Serasa Experian, de cada 1 mil pagamentos realizados, 959 foram quitados à vista ou com atraso máximo de sete dias. Um mês antes, esse índice era de 952 para cada 1 mil.

Porto Seguro Saúde passa a oferecer planos para PMEs de 10 a 19 vidas

O segmento PME está em constante movimento e, por essa razão, as Pequenas e Médias Empresas têm se reinventado para manter a eficiência mesmo diante de um cenário econômico desafiador e de um quadro reduzido de funcionários. Este cenário estimula a procura por serviços de saúde capaz de oferecer cobertura de qualidade, melhor custo x benefício, facilidade de acesso e atendimento resolutivo.

  • Publicado em Saúde
Assinar este feed RSS