Não commodities influenciam queda das exportações em outubro

O ICOMEX de novembro traz os índices de comércio para o grupo “Demais da América do Sul” composto pela Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela, o que junto com os índices da Argentina completa a análise da região sul-americana. A Fundação Getulio Vargas (FGV) optou por destacar a Argentina, que é o principal parceiro do Brasil no comércio da região. Além desses países, são calculados os índices para a China, Estados Unidos e União Europeia. A soma desses países/regiões explicou 69,6% das exportações totais brasileiras no acumulado do ano até outubro e 66,9% das importações, no mesmo período.

  • Publicado em Economia

Valor das exportações recuaram 10,4%

O saldo da balança comercial de junho foi de US$ 5 bilhões, o que levou a um superávit acumulado no ano de US$ 26 bilhões, segundo dados da Fundação Getulio Vargas (FGV). Em valor as exportações recuaram 10,4% e as importações 9,1%, na comparação entre os meses de junho de 2018 e 2019. Na comparação do acumulado do ano até junho entre 2018 e 2019, as exportações caíram em 3,5% e as importações ficaram estagnadas. O superávit no primeiro semestre de 2019 foi de US$ 26 bilhões, quatro bilhões menor do que o de 2018, e a corrente de comércio caiu 2% na comparação dos semestres de 2018 e 2019.

Brasil lidera exportações da América Latina para Dubai em 2018

O Brasil continuou liderando e sendo o principal mercado da América Latina na exportação de itens para Dubai em 2018. No ano passado, as importações de itens brasileiros por Dubai atingiram US$ 1,4 bilhão. Já as exportações dos Emirados Árabes para o Brasil, excluindo petróleo, superaram US$ 100 milhões no ano passado. Os dados são números oficiais divulgados pela Câmera de Comércio e Indústria de Dubai, às vésperas do Fórum Global de Negócios (GBF) América Latina.

Balança comercial apresenta superávit de 3,673 bi em fevereiro

A balança comercial - diferença entre exportações e importações - fechou fevereiro com o segundo maior saldo positivo para o mês desde o início da série histórica, em 1989. No mês passado, o país vendeu US$ 3,673 bilhões a mais do que comprou do exterior, de acordo com a Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia.

Assinar este feed RSS