Governo prevê aporte de mais R$6,5 bilhões a distribuidoras de energia

A exemplo do que foi feito em abril, o governo federal pretende viabilizar um novo empréstimo para ajudar as distribuidoras de energia elétrica a cobrir os gastos extras para a compra de eletricidade no mercado de curto prazo. A previsão é que os recursos somem R$ 6,5 bilhões. Em abril, foi feito um aporte de R$ 11,2 bilhões.

Empresa firma contrato para gerenciar criação de 7 parques eólicos no Piauí

Parte do Grupo Hill International, a empresa de engenharia com foco em projetos de gerenciamento e empreendimentos, Engineering, fechou um contrato em que vai gerenciar o desenvolvimento de 7 parques eólicos. O projeto é fruto de uma parceria com a L&M Engenharia, e prevê que a construção destes empreendimentos será no estado do Piauí, na Chapada do Araripe. Com 115 aerogeradores, a estrutura vai ter uma potência total instalada no equivalente a 205 MW.

Eletrobras assina acordos no setor de geração e transmissão

Os governos de Brasil e China firmaram acordos entre a Eletrobras e empresas do país asiático no setor de geração e transmissão de energia. O principal deles, visa à construção de linhas de transmissão para ultra alta-tensão (Ultra-High Voltage, no termo em inglês) na usina hidrelétrica de Belo Monte.

Aneel mantém decisão que obriga Eletropaulo a devolver R$ 626 milhões

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) negou hoje (1º) um recurso apresentado pela distribuidora AES Eletropaulo e manteve a decisão que obriga a distribuidora a devolver R$ 626 milhões aos consumidores. Segundo a agência, entre 2002 e 2011, a empresa considerou em seus processos tarifários a existência de 246 mil metros de cabos em sua base de ativos, que foram considerados inexistentes pela Aneel.

Custo médio da energia para a indústria sobe, afirma FIRJAN

Depois de cinco novos reajustes autorizados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o custo médio da energia elétrica para a indústria brasileira passou de R$ 310,67 por MWh para R$ 313,16, segundo dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Sistema FIRJAN). Com o aumento de 0,8%, o país continua ocupando a 11ª posição mais cara no ranking internacional que contempla 28 países. O topo do ranking é ocupado pela Índia, com custo de R$ 596,96 por MWh.

Assinar este feed RSS