Desocupação recua em 10 das 27 UFs no 2T19

A taxa de desocupação do país no 2º trimestre de 2019 foi de 12,0%, caindo em ambas as comparações: -0,7 pontos percentuais (p.p.) frente ao primeiro trimestre de 2019 (12,7%) e -0,4 p.p. em relação ao mesmo trimestre de 2018 (12,4%), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Taxa de desocupação é de 12,0% no trimestre, segundo IBGE

No trimestre encerrado em junho de 2019, a taxa de desocupação (12,0%) recuou 0,7 pontos percentuais (p.p.) em relação ao trimestre de janeiro a março de 2019 (12,7%) e caiu 0,4 p.p. na comparação com o mesmo trimestre de 2018 (12,4%), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Taxa de desemprego é de 12,5% no trimestre

No trimestre encerrado em abril de 2019, a taxa de desocupação (12,5%) variou 0,5 ponto percentual (p.p.) em relação ao trimestre de novembro de 2018 a janeiro de 2019 (12,0%) e caiu (-0,4 p.p.) na comparação com o trimestre de fevereiro a abril de 2018 (12,9%), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Taxa de desemprego é de 12,7% no trimestre

A taxa de desemprego (12,7%) no trimestre encerrado em março de 2019 subiu 1,1 ponto percentual (p.p.) em relação ao trimestre de outubro a dezembro de 2018 (11,6%) e caiu -0,4 p.p. em relação ao trimestre móvel de janeiro a março de 2018 (13,1%), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Taxa de desocupação é de 12,0% no trimestre

A taxa de desocupação (12,0%) no trimestre móvel encerrado em janeiro de 2019 subiu 0,3 ponto percentual em relação ao trimestre de agosto a outubro de 2018 (11,7%), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação ao trimestre móvel de novembro de 2017 a janeiro de 2018 (12,2%), o quadro foi de estabilidade.

  • Publicado em Economia

Desocupação cai em 6 das 27 UFs no 4T18

No Brasil, a taxa de desocupação foi de 11,6%, 0,3 ponto percentual abaixo do trimestre anterior (11,9%), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Considerando-se as variações estaticamente significativas, em 6 das 27 unidades da federação, a taxa caiu em relação ao terceiro trimestre de 2018. Por outro lado, a taxa subiu apenas na Bahia (1,2 p.p.), indo de 16,2% para 17,4%. 

  • Publicado em Economia

Brasileiros querem que Bolsonaro combata desemprego

Com a posse do novo presidente da República e de sua equipe ministerial, aos poucos a população brasileira vai se inteirando sobre os temas que serão tratados como prioridade pela nova administração. Uma sondagem realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revela que o cidadão brasileiro está, majoritariamente, otimista com o novo governo, mas elege uma série de problemas que merecem atenção das autoridades. Na avaliação dos entrevistados, a deficiência na saúde pública (54%), o aumento da criminalidade e da violência (52%) e o desemprego (47%) deverão ser os principais problemas a serem enfrentados pelo novo presidente da República.

 

Assinar este feed RSS