Copom espera que redução da Selic ajude na retomada da economia

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) apontou a inflação mais favorável que o esperado e a demora na retomada da atividade econômica como motivos para a decisão de reduzir em 0,75 ponto percentual a Selic, taxa básica de juros da economia, atualmente em 13% ao ano. O anúncio da nova Selic ocorreu após reunião na terça-feira (10) e quarta-feira (11) passadas.

Acelerar corte da taxa de juros é decisão acertada, diz FIRJAN

Desde outubro, quando se iniciou o processo de redução da taxa de juros, a inflação manteve trajetória cadente, fechando 2016 dentro das metas estabelecidas, algo que não acontecia desde dezembro de 2014. Para 2017, as projeções apontam inflação próxima do centro da meta de 4,5%. Diante disso, o Sistema FIRJAN considera acertada a decisão do Copom de acelerar o ritmo de corte da taxa de juros. Esse movimento será crucial à retomada do crescimento. Sua continuidade e intensidade, contudo, dependem da consolidação das reformas fiscais, em especial a aprovação da reforma da previdência e o reequilíbrio das contas públicas estaduais.

(Redação - Agência IN)

BC diz que pode haver mais espaço para corte de juros

Com a melhora nas projeções para a inflação em 2017 e 2018, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (BC), considera que pode haver mais espaço para redução da taxa básica de juros, a Selic, do que o percebido anteriormente. A avaliação consta da ata da última reunião do Copom, divulgada hoje (6), em Brasília.

Para CSB, faltou ousadia ao Copom para redução mais acentuada da Selic

O corte de apenas 0,25 ponto percentual na taxa básica de juros, definido pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central nesta quarta-feira (30), é insuficiente e mantém os juros no Brasil em um patamar ainda muito elevado, na avaliação da Central dos Sindicatos Brasileiros. Para a CSB, a taxa básica de juros na casa dos 13,75% é prejudicial para a economia do País e dificulta ainda mais a saída da crise.

Assinar este feed RSS