Ainda há espaço para novos cortes na Selic, avalia SPC Brasil

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) considera acertada a decisão tomada na noite desta quarta-feira (06/12) de reduzir a taxa Selic em 0,5 pontos percentuais. Com esse novo corte, a taxa básica de juros da economia brasileira diminui de 7,5% para 7,0% ao ano, atingindo uma nova mínima histórica – abaixo dos 7,25% observados entre o final de 2012 e o início de 2013.

 

BC toma a atitude mais correta ao cortar a Selic, afirma ACSP

Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), comemora a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) de cortar a taxa básica de juros (Selic) em meio ponto percentual.

 

Ainda há espaço para novos cortes de juros, avalia SPC Brasil

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) aprova a decisão tomada na noite desta quarta-feira (25/10) de reduzir a taxa Selic em 0,75 pontos percentuais. Com esse novo corte, a taxa básica de juros da economia brasileira diminui para 7,5% ao ano, se aproximando do mínimo histórico de 7,25% que vigorou no início de 2013, quando havia uma maior pressão inflacionária.


BC acerta ao reduzir Selic para 7,5%, aponta FecomercioSP

Para a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o Banco Central (BC) foi sensato e acertou ao reduzir a Taxa Selic em 0,75 ponto porcentual (p.p.), passando de 8,25% para 7,5% ao ano. O ritmo de queda nas cinco reuniões anteriores foi de 1 ponto porcentual, trazendo, conforme projeção da FecomercioSP, a Selic para um dígito logo no início do segundo semestre e se aproximando ainda mais do patamar de 7%, que é exatamente a projeção da Entidade para o fim do ano.

Desemprego e inflação exigem corte mais rápido da Selic, afirma Fiesp

Mais uma vez o Banco Central cortou em apenas 1 ponto percentual a taxa básica de juros, a Selic, que foi para 8,25%. Com previsão de inflação de 3,31% no fim deste ano, sem dúvida há espaço para cortes mais incisivos da Selic.

A retomada da economia começa a se desenhar, mas ainda de maneira muito lenta. O Brasil tem pressa; os 13 milhões de brasileiros desempregados não podem esperar mais. Está na queda mais rápida da Selic a chave para acelerar o crescimento e a retomada do emprego.

(Redação - Agência IN)

Assinar este feed RSS