Banco Central acerta em manter ritmo de redução da Selic, avalia SPC Brasil

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) considera positivo para a economia a decisão anunciada na noite desta quarta-feira pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central em manter o ritmo de redução da taxa básica de juros (Selic) em 1,0 ponto percentual. Agora em 9,25% ao ano, é a primeira vez que a Selic fica em um dígito desde o final de 2013.

 

Inflação próxima à meta abre espaço para Selic cair para um dígito até o final do ano, aponta SPC

O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) considera positivo para a economia a decisão anunciada nesta quarta-feira pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central em reduzir a taxa básica de juros (Selic) em 1,0 ponto percentual de 12,25% para 11,25%, o mais baixo patamar desde outubro de 2014. A decisão do Copom reflete a desaceleração dos preços dos últimos meses e a expectativa do mercado de que a inflação poderá até mesmo ficar abaixo do centro da meta ao final de 2017, fato que não acontece desde 2009.

Novo ciclo de redução da Selic deve começar apenas em outubro, afirma SPC Brasil

Pelo décimo segundo mês consecutivo, o Comitê de Política Monetária decidiu nessa quarta-feira (20) manter a taxa básica de juros Selic em 14,25% ao ano, o mesmo patamar desde a reunião de julho de 2015 e maior nível desde outubro de 2006. A primeira reunião do Copom sob o comando do novo presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, terminou com um resultado esperado pelo mercado e por instituições financeiras, diz o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), já que o nível de inflação acumulada em 12 meses ainda está elevado e acima da meta, o que ainda não permite a flexibilização de política monetária.

 

Número de empresas endividadas cresce 11,08%, diz SPC

Aumentou o número de empresas endividadas no Brasil nos últimos 12 meses. A constatação é de pesquisa divulgada nesta quarta-feira (27) pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas.

Empréstimos e dívidas no cartão são os principais vilões da inadimplência

Um estudo realizado em todas as capitais pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que as dívidas bancárias são as principais causadoras da inadimplência dos brasileiros. Sete em cada dez (76%) consumidores inadimplentes que tomaram empréstimos em bancos e financeiras disseram estar com o nome sujo por causa de atrasos no pagamento dessas dívidas. O percentual é inclusive maior do que os 68% apurados em 2014. Os cartões de loja (75%) e os cartões de crédito (74%) vêm em seguida como as modalidades de crédito que mais geraram a inadimplência dos consumidores.

 

40% dos inadimplentes não pretendem quitar dívidas, revela SPC

Nos próximos três meses, quatro em cada dez consumidores inadimplentes, ou 37%, não pretendem pagar suas dívidas. E isto ocorre por diversas razões, que vão desde falta de condições de arcar com o valor (28%) ao não interesse em quitar os débitos. A conclusão é de uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pelo portal 'Meu Bolso Feliz' com 1.245 consumidores de todas as capitais. O levantamento buscou traçar o perfil do adimplente e inadimplente brasileiro, analisando o que gera esta situação, bem como o comportamento financeiro das pessoas.

Saiba como baratear seu financiamento com a portabilidade do crédito

Você tem uma dívida e está achando os juros muito altos? Segundo especialistas do Portal Meu Bolso Feliz -- iniciativa de Educação Financeira do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) -- a solução pode estar na nova regulamentação criada pelo Banco Central, a Portabilidade do Crédito. De acordo com as novas regras, que entraram em vigor neste mês, se você estiver nessa situação e encontrar um banco que aceite financiá-lo em condições melhores que as do seu banco atual, você pode "mudar" sua dívida de um banco para o outro, melhorar as condições de seus empréstimos, reduzir seus custos e, até, quitá-los.

Assinar este feed RSS