Receita líquida da Usiminas atinge R$ 2,1 bilhões no 4T16

Receita líquida da Usiminas atinge R$ 2,1 bilhões no 4T16 Foto: Divulgação Receita líquida da Usiminas atinge R$ 2,1 bilhões no 4T16

A Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S.A. - Usiminas (BM&FBOVESPA: USIM3, USIM5 e USIM6; OTC: USDMY e USNZY; LATIBEX: XUSIO e XUSI) divulga nesta sexta-feira, 17, os resultados do quarto trimestre do exercício de 2016 (4T16) e do ano de 2016.

A receita líquida do 4T16 foi de R$2,1 bilhões, contra 2,3 bilhões no 3T16, uma redução de 6,4% devido ao menor volume de vendas em todas as Unidades de Negócio da Companhia, destacando-se a redução de 41,9% na receita de exportação de aço.

O EBITDA Ajustado do 4T16 foi de R$234,1 milhões, contra R$306,9 milhões no 3T16, principalmente devido aos eventos extraordinários, não recorrentes, referente a despesa pela antecipação de término de contrato com fornecedor de R$70,7 milhões e à provisão para devedores duvidosos de R$32,9 milhões, registrados no 4T16. A margem de EBITDA Ajustado no 4T16 foi de 11,0% contra 13,5% no 3T16.

No ano de 2016, o EBITDA Ajustado foi de R$660,4 milhões, contra R$291,5 milhões em 2015, principalmente devido ao melhor desempenho das Unidades de Negócio de Siderurgia, Mineração e Transformação do Aço. A margem de EBITDA Ajustado no ano de 2016 atingiu 7,8%, contra 2,9% em 2015.

O 4T16 apresentou despesas financeiras líquidas de R$87,1 milhões, contra R$159,3 milhões
no 3T16, uma redução de 45,3%, principalmente em função de menores perdas com variação cambial, em decorrência da desvalorização cambial de 0,4% no 4T16 contra 1,1% no 3T16. Adicionalmente, o 3T16 apresentou maiores despesas financeiras oriundas da renegociação da dívida da Companhia, finalizada em setembro de 2016.

Em 2016, as despesas financeiras líquidas foram de R$30,2 milhões, contra R$1,2 bilhão em 2015, em função da valorização cambial de 16,5% em 2016, contra uma desvalorização cambial de 47,0% em 2015, o que gerou ganhos cambiais de R$639,1 milhões em 2016, contra perdas cambiais de R$1,1 bilhão em 2015.

A Companhia cresceu seu lucro operacional em R$389,7 milhões na comparação do 4T16 com o 3T16, saindo de um prejuízo de R$166,3 milhões para um lucro de R$223,4 milhões. Entretanto, foi contabilizado um prejuízo líquido de R$195,0 milhões no 4T16, contra R$107,1 milhões no 3T16, devido à provisão para perda de imposto de renda e contribuição social diferidos no valor de R$338,5 milhões no 4T16, enquanto no 3T16 houve provisão para perda de R$6,6 milhões compensada pela constituição de imposto diferido no valor de R$70,8 milhões.

No 4T16, o capital de giro foi de R$2,5 bilhões, contra R$2,4 bilhões em 3T16, um aumento de R$142,0 milhões, principalmente pelo aumento nos estoques de aço e de matérias primas (incluindo placas adquiridas), refletindo os preços mais altos, e pela redução em demais passivos circulantes (Forfaiting), compensados parcialmente pela redução no contas a receber e pelo aumento no contas a pagar a fornecedores.

(Redação - Agência IN)