Receita líquida da BRF cresce no 3T20

  •  
Receita líquida da BRF cresce no 3T20 (Foto: Divulgação) Receita líquida da BRF cresce no 3T20

Nesta terça-feira, 10, a BRF anunciou que obteve uma receita líquida de R$ 9,9 bilhões nas operações continuadas no terceiro trimestre de 2020, uma alta de 17,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. Já o lucro líquido consolidado da Companhia foi de R$ 219 milhões, enquanto a geração de caixa operacional atingiu R$1,77 bilhão no 3T20.

A receita líquida do Segmento Brasil no 3T20 totalizou R$5,29 bilhões, com crescimento de 20,8% em relação ao mesmo período do ano passado. O volume total apresentou um crescimento anual de 3,3%, com destaque para as categorias de maior valor agregado, como processados e margarinas com aumento de 7,9%. A estratégia de cada vez mais fornecer alimentos de qualidade e com alto valor agregado, proporcionando mais praticidade para os consumidores, continua sendo foco da Companhia e se mostrou mais uma vez acertada neste trimestre.

Contudo, no Segmento Brasil, a participação do mix de valor agregado avançou para 83,5% das vendas, com crescimento de 3.0 p.p. em relação ao 3T19. Vale ressaltar o ritmo acelerado das inovações da BRF em 2020, que desde o início do ano somam mais de 91 lançamentos no Brasil, sendo 29 produtos somente no 3T20, consolidando a liderança intelectual da BRF no setor e atestando o seu conhecimento das demandas dos consumidores e agilidade para atendê-las. Destaque para as linhas Sadia Orgânico, com nove opções de cortes in natura, bacon fatiado Perdigão, Claybom sabor manteiga, Hot Pocket e Salamitos com novos sabores, entre outros.

Com relação à performance das marcas, a BRF apresentou um crescimento de 0,9 p.p. YTD em preferência comparado ao mesmo período de 2019, sendo 0,5 p.p. em Perdigão, 0,3 p.p. em Sadia e 2,5 p.p. em Qualy. Também reforçou a presença na mídia com crescimento de investimento digital das marcas. Outro indicador com performance positiva foi o NPS (Net Promoter Score), com todas as marcas acima de 8,0 no acumulado do ano.

A transformação digital em curso na BRF tem sido foco de investimentos, tanto no Be Digital quanto no Go Digital. A aplicação de uma série de tecnologias-chave, que contemplam robotização, reconhecimento de imagens, computação na nuvem e inteligência artificial, dentre outras, tem permitido o desenvolvimento de novas soluções, que proporcionam eficiência e maior produtividade em todas as nossas operações e etapas do sistema produtivo. A plataforma digital também vem se consolidando como importante alavanca de geração de negócios e posicionamento das marcas, tanto em B2B, B2B2C e D2C.

“Mesmo ainda vivendo este cenário tão desafiador, com a continuidade dos efeitos da COVID-19, a BRF mostrou consistência na entrega de sólidos resultados pelo sexto trimestre consecutivo. Estes resultados nos enchem de orgulho, pois refletem o trabalho conjunto de mais de 90 mil funcionários e cerca de 10 mil produtores integrados que estão engajados e comprometidos com nossa cultura e nossa essência”, ressalta o CEO da BRF, Lorival Luz.

Também neste ano, a BRF celebra um período de conquistas após o anúncio de que Qualy e Sadia estão em primeiro lugar entre as marcas mais lembradas pelos consumidores em suas categorias, de acordo com ranking Top of Mind da Folha de S.Paulo. Sadia aparece pelo quinto ano consecutivo no levantamento e, em 2020, com crescimento de 7 p.p. na comparação com 2019, sendo também a marca de alimentos mais valiosa do País no ranking BrandZ/Kantar. Já Qualy é a mais lembrada pelo 15º ano consecutivo e líder absoluta da categoria. Perdigão também é ranqueada entre as três marcas mais lembradas do País, sendo a que mais cresce desde 2016. Esse desempenho comprova o reconhecimento por parte do consumidor de atributos como qualidade, sabor e praticidade oferecidos pelos produtos da BRF, que estão nas mesas de milhões de brasileiros.

Já no mercado internacional, a BRF sustentou o seu market share e expandiu o portfólio de produtos com maior valor agregado, com 32 lançamentos apenas neste trimestre. A Companhia segue em franca expansão de seus negócios, com destaque para China, Cingapura e novas habilitações em diversos mercados. No mercado Halal, a empresa explorou cada vez mais os segmentos de empanados e hambúrgueres, além de manter os investimentos no fortalecimento da marca “Banvit”, líder absoluta na Turquia, com 23% de participação de mercado. Estes fatores e a desvalorização cambial geraram forte expansão da receita líquida, de 36,1% ante o mesmo período do ano anterior.

O EBITDA Ajustado Consolidado atingiu R$1,31 bilhão no 3T20, com crescimento de 15,3% em relação a 2019, atingindo uma margem de 13,2%. No segmento Brasil, a Companhia registrou EBITDA Ajustado de R$829 milhões, com 53,3% de crescimento e margem EBITDA Ajustada de 15,7%. No segmento Internacional, o EBITDA Ajustado foi de R$476 milhões no 3T20, com margem EBITDA Ajustada de 11%.

A alavancagem líquida da Companhia atingiu 2,90x no 3T20, mantendo o patamar do 3T19 (variação de 0,1% em relação ao 2T20). “Avançamos na nossa estrutura de capital, com alavancagem em 2,9x e emissão de US$800 milhões em Bonds no mercado internacional com prazo de 30 anos. Com isso, estendemos nosso prazo médio de dívida para 9,5 anos, o que nos deixa em condições de avançar com nossas iniciativas de crescimento.”, ressalta Lorival Luz.

A BRF segue ampliando seus investimentos que, apenas neste trimestre, totalizaram R$ 662 milhões. Além da expansão da capacidade produtiva, está avançando em 45 projetos de transformação digital. Na área Agropecuária, a BRF conectou mais de 8 mil produtores de aves e suínos por meio do app AgroBRF, modelo único de gestão, que possibilita ao integrado acompanhar as instalações 24 horas por dia, além de receber avisos e alertas em tempo real. Os dados inseridos na plataforma permitem agilidade na gestão de dados e informações, além da maior previsibilidade para a tomada de decisões.

Para finalizar, a BRF lançou operações no mercado de capitais internacional, que compreenderam duas emissões de 30 anos (até 2050), totalizando US$800 milhões com taxa de 5,75% ao ano e uma recompra de, aproximadamente, US$600 milhões em títulos com prazos mais curtos (com vencimentos em 2022, 2023 e 2024). A BRF também emitiu o maior CRA da história do Brasil, com prazo médio de 8,4 anos, num montante de R$2,2 bilhões e pré-liquidou quase R$2 bilhões em operações de crédito junto a bancos locais.

(Redação- Investimentos e Notícias)