Receita líquida da Aegea Saneamento alcança R$ 343,3 milhões no 1T18

  •  
Receita líquida da Aegea Saneamento alcança R$ 343,3 milhões no 1T18 Foto: Divulgação Receita líquida da Aegea Saneamento alcança R$ 343,3 milhões no 1T18

Os resultados do primeiro trimestre de 2018, da Aegea, divulgados para o mercado na segunda-feira (14), apontam variação positiva de 21,7% na receita líquida e de 13,5% no EBITDA, atingindo R$ 343,3 milhões e R$ 169,3 milhões, respectivamente. 

O lucro líquido cresceu 32,2% ou R$ 12,6 milhões, totalizando R$ 51,9 milhões no trimestre. Dentre os fatores que colaboraram para este crescimento estão o início das operações das novas concessões, Águas de Rolim de Moura, Águas de Teresina e Vila Velha Ambiental, que foram as principais responsáveis pelo aumento das economias ativas de água e de esgoto; e as receitas provenientes dos contratos de PPP de Serra Ambiental e Vila Velha Ambiental, que contribuíram com R$ 10,6 milhões do crescimento da receita líquida.

Em relação ao mesmo período do ano anterior, a companhia também aumentou em 560,1 mil as economias totais, que atingiram 2.188,2 mil. O número de domicílios atendidos com água apresentou uma elevação de 38,8%, alcançando 1.241,3 mil, e o número de residências ligadas à rede de esgoto teve crescimento de 29,1% ou 946,9 mil. Este último dado é muito positivo, considerando que o esgotamento sanitário é o mais deficitário do setor e que, atualmente, mais de 100 milhões de pessoas, o que equivale a 48% da população, não têm coleta de esgotos. Esses avanços se devem ao aumento da base de clientes associado às concessionárias novas, à expansão da rede de cobertura e ao avanço das concessões existentes.

Impactado pelo início das operações entrantes, o índice de perdas de água registrou aumento de 2,3 pontos percentuais, o que representa 39,5%. No entanto, considerando apenas as concessionárias existentes, este índice alcançou 33,8%, equivalente à uma redução de 1,8 pontos percentuais. O consumo unitário de energia, expresso pelo indicador kWh/m3, caiu de 0,693 para 0,641 no 1T18, em função de uma maior eficiência energética das concessões.

Os resultados publicados demonstram também que saneamento contribui positivamente na geração de emprego e de renda para a população impactada pelos seus serviços. O documento aponta que o quadro de colaboradores da companhia totalizou 2.983 funcionários ativos, um aumento de 17,6% em relação ao 1T18. Este resultado é decorrente da admissão de 579 colaboradores nas novas concessões conquistadas pela empresa, que buscam mão de obra local qualificada assim que passam a atuar em um novo município.

A Aegea vem investindo fortemente nas cidades onde opera. Neste primeiro trimestre, por exemplo, a empresa investiu R$ 570,6 milhões, apresentando um aumento de R$ 43,4 quando comparado ao ano anterior. Esse aumento se deve, principalmente, ao pagamento da Outorga da concessão Águas de Teresina. O saldo de caixa e aplicações financeiras de curto e longo prazo somaram R$ 980,6 milhões, demonstrando que a Aegea mantém equilibrada sua capacidade financeira. Complementarmente, entre o terceiro e quarto trimestres de 2017, a companhia realizou emissões de debêntures e bonds que a possibilitaram estender o prazo médio da dívida para 6,4 anos, o que se compara a um prazo de 5,8 anos no mesmo período do ano passado.

Somado a este panorama financeiro saudável, a companhia obteve, neste período, as aprovações do CADE, BNDES e poderes concedentes para a aquisição das ações da Companhia de Saneamento do Norte, que opera os serviços de água e esgoto na cidade de Manaus e, adicionalmente, assinou, também no trimestre, o contrato de aquisição das ações da Sagua – Soluções Ambientais de Guarulhos S.A., que opera os serviços de esgoto por meio de contrato de Parceria Público Privada, na cidade de Guarulhos (SP). O município conta com cerca de 1,3 milhão de habitantes. Com a conclusão de ambas as aquisições, a Aegea passará a atuar em 50 municípios, de onze estados brasileiros.

(Redação - Investimentos e Notícias)