Minério de ferro e safra agrícola recorde devem aquecer setor ferroviário

  •  
O minério de ferro e a soja lideram o número de contêineres transportados pelo modal ferroviário no país Foto: Divulgação O minério de ferro e a soja lideram o número de contêineres transportados pelo modal ferroviário no país

O minério de ferro e a soja lideram o número de contêineres transportados pelo modal ferroviário no país. De acordo com dados da Confederação Nacional do Transporte (CNT), de 2006 a 2012, o transporte de minério de ferro teve um crescimento de 29% na movimentação de cargas por ferrovia, seguido pela soja (grão e farelo), com 7,43%. Este resultado foi responsável por refletir positivamente nas fornecedoras do modal, as quais enxergaram uma oportunidade de oferecer ao setor inovações no que se refere à composições, vagões, tanques e plataformas para contêineres.


Segundo o diretor corporativo das Empresas Randon, Noberto Fabris, o sistema ferroviário está muito fundamentado no setor agrícola. "Tivemos boas modificações no setor de cargas para grãos. A implantação de novas soluções conseguiu trazer agilidade às operações. Descargas que levavam cerca de 26 minutos, passaram a ser feitas em no máximo três minutos", ressalta o diretor.

Fabris também destaca a necessidade de um maior estabilidade na sistemática da fabricação, uma vez que antigamente as encomendas eram feitas em lote pelas concessionárias, o que interrompia o fluxo de abastecimento. "O desafio é manter a continuidade na produção por meio de um planejamento anual sem tantos altos e baixos", revela Fabris, que aponta a importância de projetos e investimentos em infraestrutura e produtividade no intuito de favorecer a competitividade logística.

O Programa de Investimentos em Logística, do Governo Federal, é um exemplo, e prevê um novo modelo de concessão com 12 novos trechos ferroviários. A iniciativa também pretende realizar intervenções em 10 mil quilômetros de ferrovias com investimento estimado em R$ 91 bilhões no decorrer dos próximos 25 anos. Estes avanços colaboraram no aquecimento da indústria de fornecimento, com a produção de equipamentos e ativos rodantes para o setor ferroviário. Ainda de acordo com Norberto Fabris, a projeção de crescimento para a matriz do transporte está em torno de 25%.

 (Redação- Agência IN)