Meliá registra aumento de 74% no lucro líquido

  •  
Meliá registra aumento de 74% no lucro líquido Foto: Divulgação Meliá registra aumento de 74% no lucro líquido

A Meliá Hotels International apresentou os resultados dos primeiros nove meses de 2016, com números promissores e uma notável melhora em todos os índices financeiros. A rede registrou um lucro líquido de 92,2 milhões de euros, 74% a mais que no mesmo período de 2015. O RevPAR, métrica mais importante na indústria hoteleira atual, aumentou 11%.

"Os resultados da empresa até setembro acusam um impacto das tendências positivas do turismo na Espanha, que o nosso grupo tem sido capaz de maximizar graças à sua experiência e liderança no segmento de hotéis de lazer, bem como a estratégia bem-sucedida de renovação, rebranding e reposicionamento de ativos", afirma Gabriel Esacarrer, Vice-Presidente e CEO da marca.

Com um crescimento de 29%, a Melia.com – plataforma para reservas online –, mostra uma tendência mundial em que o consumidor está mais aberto e seguro para realizar compras via internet, principalmente no Brasil, onde esse comportamento é impulsionado pelos smartphones.

Em relação à expansão internacional, a Meliá Hotels International continuou a incorporar hotéis em mercados emergentes, como na Indonésia com as assinaturas do Meliá Lombok Tangkong, Meliá Bintan e o Meliá Pekanbaru; no Qatar, o INNSIDE Doha; no Vietnã, o Meliá Ho Tram; e Cabo Verde, com mais 4 hotéis. Há também uma abertura para novos mercados como Cazaquistão, Irã e Maldivas.

Para os EUA, os resultados da região evoluíram positivamente como esperado, superando a desaceleração observada no primeiro semestre do ano, principalmente graças à contribuição de novas aberturas como ME Miami e especialmente o INNSIDE New York Nomad. Este último continua a exceder as expectativas em seus primeiros meses de operação, com taxas de ocupação acima de 85% aumentando seu posicionamento de preço e formando uma excelente base para o crescimento que o grupo espera conseguir durante 2016 e 2017.

Financeiramente, a companhia continua a consolidar seu balanço, comprometida em reduzir sua dívida líquida, um dos mais importantes objetivos em sua estratégia desde 2011. Desde dezembro de 2015, o grupo diminuiu esse valor em 240 milhões de euros. “Os resultados financeiros da intensa redução da dívida nos colocam em uma excelente posição para atender ao crescimento esperado no curto, médio e longo prazo", pondera Escarrer.

Igualmente positiva foi a evolução do México e, em menor medida, na República Dominicana, apesar do declínio em grupos de negócios e da situação em alguns mercados eminentes latino-americanos. Em particular, a companhia destaca a evolução de alguns ativos importantes da região como ME Cabo e os Resorts Paradisus Cancun, Paradisus Playa del Carmen La Perla e La Esmeralda, que continuam a melhorar os seus resultados de forma consistente. No quarto trimestre, o grupo irá abrir o Meliá Cartagena de Indias, na Colômbia, assegurando mais uma fatia do mercado latino.

Durante os nove meses de 2016, a companhia continuou a melhorar os seus resultados em Cuba, onde as receitas atingiram 17,9 milhões de euros, 31% mais do que no mesmo período em 2015. O RevPAR aumentou 9,9%, graças à excelente evolução das tarifas, que aumentaram 18,1% em euros, em especial nos quatro hotéis operados pelo grupo em Santiago de Cuba e, especialmente, Havana.

Já no Brasil, a complexa situação econômica e política em 2016 levou a um enfraquecimento significativo da procura interna e uma consequente guerra de preços, perdendo 15% em média em relação ao ano anterior. A companhia espera que as dificuldades permaneçam no quarto trimestre, embora as expectativas e os mercados financeiros dependam da melhoria dos indicadores econômicos. Além disso, a evolução de algumas grandes empresas brasileiras sugere um lampejo de recuperação, que no caso da Meliá junta-se à renovação feita em 2016 de 3 hotéis no país. Enquanto isso, 2017 será influenciado pela contribuição significativa que irá representar o novo hotel Gran Meliá Nacional, no Rio de Janeiro.

(Redação - Agência IN)