Lucro operacional da Henkel alcança € 795 mi

  •  
Lucro operacional da Henkel alcança € 795 mi Foto: Divulgação

A Henkel anunciou seus resultados para o primeiro trimestre de 2019.

As vendas aumentaram 2,8% para 4.969 milhões de euros, com crescimento orgânico de +0,7%.
O lucro operacional (EBIT)* alcançou 795 milhões de euros (-5,6%).
A margem de EBIT* ficou a 16% (-140 pontos básicos).
O lucro por ação preferencial (EPS)* chegou a 1,34 euro, -6,3% a taxas de câmbio constantes.
Houve forte desenvolvimento do fluxo de caixa livre: 523 milhões de euros, além do investimento no crescimento e aumento da competitividade. 
* Ajustado por taxas/lucros únicos e custos de reestruturação.

Düsseldorf - "Apesar de um ambiente de mercado cada vez mais desafiador, a Henkel alcançou um crescimento positivo nas vendas no primeiro trimestre do ano, tanto em termos orgânicos quanto nominais. A margem EBIT ajustada e o desempenho do EPS ajustado ficaram dentro de nossas perspectivas para todo o ano fiscal", disse o CEO da Henkel, Hans Van Bylen.

"Em geral, o desempenho de nossos negócios no primeiro trimestre de 2019 foi misto. Como esperado, a unidade de negócios Adhesive Technologies foi afetada pela desaceleração da produção industrial em diversos setores, com melhorias que são esperadas para o segundo semestre deste ano", explicou Hans Van Bylen.

"Em nossos negócios de bens de consumo, o desempenho da unidade de negócios Beauty Care ficou abaixo de nossas expectativas. Embora tenhamos lançado com sucesso novas marcas e inovações e nosso negócio de tratamento capilar profisional continuasse superando os mercados, enfrentamos desempenhos negativos em nosso negócio em regiões importantes, como a Europa Ocidental e a China. Estamos lidando com medidas específicas, com o objetivo de impulsionar o crescimento e melhorar o rendimento de nossos negócios de Beauty Care", acrescentou Hans Van Bylen.

"Por outro lado, nossos negócios de Laundry & Home Care tiveram um bom começo de ano, respaldado também pelo lançamento de novidades e de novos produtos".

"No futuro, vamos nos concentrar em seguir fortalecendo nossos negócios, investiremos no crescimento e na digitalização e continuaremos adaptando nossas estruturas para alcançar nossos objetivos para o ano todo", disse Hans Van Bylen.

No início do ano, a Henkel anunciou que aumentaria os investimentos com o objetivo de aproveitar oportunidades adicionais de crescimento, principalmente em seus negócios de bens de consumo, e para acelerar ainda mais a transformação digital. A companhia também está implementando uma série de medidas para aumentar ainda mais a competitividade de seus negócios.

"Confirmamos a perspectiva para todo o ano fiscal", disse Hans Van Bylen. "Esperamos um crescimento orgânico das vendas entre 2 e 4% neste ano fiscal. Para a margem EBIT ajustada, esperamos uma taxa de 16% a 17% e um EPS ajustado na faixa percentual de meio dígito inferior ao ano anterior a taxas de câmbio constantes".

As vendas no primeiro trimestre de 2019 aumentaram 2,8% nominalmente, para 4.969 milhões de euros. Organicamente, o que exclui o impacto de efeitos do câmbio e aquisições/desinvestimentos, as vendas apresentaram um crescimento de 0,7%. A contribuição das aquisições e desinvestimentos foi de 0,6%. Os efeitos da taxa de câmbio tiveram um impacto positivo de 1,5% nas vendas.

Na unidade de negócios Adhesive Technologies, as vendas decresceram organicamente em 0,8%, principalmente devido à desaceleração nos setores de eletrônicos e automotivo. As vendas da unidade de negócios Beauty Care ficaram, organicamente, 2,2% abaixo em comparação ao mesmo trimestre do ano anterior, principalmente devido ao fraco desempenho no varejo na Europa Ocidental e na China. Já a unidade de negócios Laundry & Home Care registou um crescimento orgânico muito forte de 4,7%, sustentado pelas contribuições positivas dos lançamentos bem-sucedidos de novos produtos e novidades nos principais mercados.

Mais uma vez, os mercados emergentes tiveram uma contribuição acima da média para o crescimento da Henkel, com um bom crescimento orgânico de 2,2% nas vendas. Já os mercados maduros registraram um desempenho orgânico negativo de -0,4% nas vendas.

As vendas na Europa Ocidental diminuíram 1,3% organicamente. O Leste Europeu alcançou um crescimento orgânico de 6,5%. Na África/Oriente Médio, as vendas cresceram 13,5% organicamente. As vendas na América do Norte aumentaram 1,1% organicamente. A América Latina alcançou um crescimento orgânico de 8%, e na região da Ásia-Pacífico as vendas estiveram 8,8% abaixo do nível em relação ao mesmo trimestre no ano anterior.

O lucro operacional ajustado (EBIT) alcançou 795 milhões de euros, 5,6% abaixo do nível do primeiro trimestre de 2018 (842 milhões de euros).

O retorno ajustado sobre as vendas (EBIT) foi de 16%, 1,4 ponto percentual abaixo do nível do ano anterior.

O lucro por ação preferencial ajustado diminuiu 6,3%, de 1,43 euro no primeiro trimestre de 2018 para 1,34 euro no primeiro trimestre de 2019. Com os constantes efeitos do câmbio, o desempenho do EPS também foi de -6,3%.

Com 6,6%, o capital circulante líquido, como percentual das vendas, esteve acima do nível do primeiro trimestre de 2018 (6,2%).

Com 523 milhões de euros, o fluxo de caixa livre no primeiro trimestre de 2019 foi substancialmente mais alto do que no mesmo período do ano anterior (22 milhões de euros). Esse desempenho demonstra a especial capacidade da empresa para gerar fluxo de caixa livre.

A partir de 31 de março de 2019, a posição financeira líquida da Henkel apresentou um saldo de -2.478 milhões de euros (31 de dezembro de 2018: -2.895 milhões de euros).

A unidade de negócios Adhesive Technologies registrou um desempenho orgânico das vendas ligeiramente negativo de -0,8% no primeiro trimestre. Nominalmente, as vendas aumentaram 1,7%, para 2.309 milhões de euros. O lucro operacional ajustado alcançou 388 milhões de euros depois de 410 milhões de euros no mesmo período do ano anterior. O retorno ajustado sobre as vendas foi de 16,8% (primeiro trimestre de 2018: 18,1%).

As vendas da unidade de negócios Beauty Care decresceram organicamente em 2,2% no primeiro trimestre. Em termos nominais, as vendas alcançaram 960 milhões de euros depois de 965 milhões de euros no mesmo período do ano anterior. O lucro operacional ajustado de 144 milhões de euros e o retorno ajustado sobre as vendas de 15% foram mais baixos do que no mesmo trimestre do ano anterior.

A unidade de negócios Laundry & Home Care registrou um crescimento orgânico das vendas de 4,7% no primeiro trimestre. Nominalmente, as vendas aumentaram 6,3% e alcançaram 1.667 milhão de euros. Com 286 milhões de euros, o lucro operacional ajustado ficou 1,9% abaixo do nível do primeiro trimestre de 2018. O retorno ajustado sobre as vendas alcançou 17,1% e ficou abaixo do nível do mesmo trimestre no ano anterior.

(Redação - Investimentos e Notícias)