Lucro líquido da BB Seguridade alcança R$6,7 bi em 2019

  •  
Lucro líquido da BB Seguridade alcança R$6,7 bi em 2019 (Foto: Divulgação) Lucro líquido da BB Seguridade alcança R$6,7 bi em 2019

Em 2019, a BB Seguridade reportou o maior lucro líquido da história da Companhia, atingindo a marca de R$6,7 bilhões. Em bases recorrentes, o resultado também foi recorde, atingindo R$4,3 bilhões, representando um crescimento de 21,3% em relação ao lucro líquido ajustado reportado no ano de 2018.

Dentre os eventos extraordinários ocorridos no ano, destaca-se o ganho de capital líquido de impostos de R$2,3 bilhões decorrente da alienação da participação mantida no IRB Brasil-RE (“IRB”), concluída em julho de 2019.

A BB Seguridade destinou cerca de R$5,6 bilhões do lucro líquido de 2019 para pagamento de dividendos, um payout aproximado de 84%. Somando-se a redução de capital de R$2,7 bilhões, o montante de proventos aos acionistas aprovado pela companhia no exercício chegou a R$8,3 bilhões, crescimento de 47,4% comparado ao volume aprovado em 2018, representando um rendimento de 14,9% em relação ao preço da ação (dividend yield).

O forte desempenho comercial associado à redução na sinistralidade e ao aumento do saldo de reservas de previdência foram os principais fatores que contribuíram para o crescimento do resultado no ano. O resultado financeiro também contribuiu de forma significativa, beneficiado por ganhos de marcação a mercado decorrentes do fechamento da estrutura a termo de taxa de juros e, principalmente, por uma dinâmica favorável dos indicadores de inflação que atualizam os ativos e passivos dos planos de previdência de benefício definido.

O resultado financeiro mais forte que o esperado no quarto trimestre, foi um dos principais fatores que levaram a Companhia a superar seu Guidance 2019 de crescimento do lucro líquido ajustado (+13,0% a +17,0%).

Para 2020, a BB Seguridade espera um crescimento de 7,0% a 13,0% no somatório, ponderado pela sua participação societária, do resultado operacional antes de impostos de suas empresas, exceto as holdings.

(Redação – Investimentos e Notícias)