Light registra EBITDA ajustado consolidado de R$335 mi

  •  
Light registra EBITDA ajustado consolidado de R$335 mi (Foto: Pexels) Light registra EBITDA ajustado consolidado de R$335 mi

O EBITDA ajustado consolidado da Light atingiu R$ 335 milhões no terceiro trimestre de 2018, registrando uma queda de 33,4% contra o mesmo período do ano anterior, tendo sido impactado principalmente pelo aumento de perdas e provisões da Distribuidora no período.

A Companhia reduziu o volume de REN para o menor patamar dos últimos 2 anos de forma a aprimorar o resultado do programa de combate a perdas. No 3T18, o volume de REN foi de 155 GWh, representando uma queda de 43,2% em comparação ao volume do 2T18.

O Mercado Total Faturado registrou um aumento de 2,7% em relação ao 3T17. Expurgando o efeito da REN, o mercado total no 3T18 foi de 6.300 GWh, um aumento de 4,1% contra o 3T17. Nos 9M18, mesmo com um primeiro trimestre desfavorável em razão da temperatura abaixo da média histórica para o período, o consumo total atingiu 21.072 GWh, ficando apenas 0,5% abaixo do acumulado de 2017.

O DEC (12 meses) foi de 7,67 horas no 3T18, representando uma melhora de 2,0% em relação ao 2T18 e já se encontrando 21,7% abaixo do nível pactuado com a ANEEL no contrato de concessão para final de 2018 (9,80 horas). O FEC (12 meses) também melhorou, atingindo 4,60 vezes no 3T18, queda de 2,3% em relação ao 2T18 e 23,5% abaixo do nível pactuado com a ANEEL para 2018 (6,01 vezes).

O índice de perdas totais sobre a carga fio (12 meses) em setembro de 2018 foi de 23,15%, representando um ligeiro aumento em relação ao período encerrado no 2T18 (22,98%). Com isso, a diferença para o nível regulatório incluído na tarifa (20,62%) ficou em 2,53 p.p.

A Companhia segue com sua estratégia de melhoria do perfil da dívida e, em outubro de 2018, realizou a 15ª emissão de debêntures da Light SESA, dividida em duas séries, a 1ª série no valor de R$ 540 milhões com custo IPCA + 6,83% a.a., com prazo de sete anos, e a 2ª série no valor de R$ 160 milhões com custo CDI + 2,2% a.a., com prazo de quatro anos.

(Redação – Investimentos e Notícias)