Kepler Weber mantém lucro no 1T20

  •  
Kepler Weber mantém lucro no 1T20 Foto: Divulgação Kepler Weber mantém lucro no 1T20

No mês em que completa 95 anos, a Kepler Weber, empresa nacional líder em soluções para pós-colheita, divulga os resultados do 1T20, no qual apurou lucro líquido de R$8,7 milhões, valor 114% maior do que no mesmo período de 2019. A empresa também registrou avanço de 9,2% no Lucro Bruto, alcançando R$29,6 milhões, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Destaque ainda para o endividamento líquido negativo no fechamento do trimestre de R$29,2 milhões.

A performance, mesmo em um momento de redução no volume de vendas, é atribuída a uma estratégia de reposição de preços e de gestão de custos e despesas. Por meio do Lean Manufacturing, a companhia vem adequando sua capacidade de produção e, consequentemente, otimizando os recursos utilizados e minimizando os custos fabris, o que contribui a cada trimestre com a melhoria gradual nos resultados.

"O interesse dos clientes pelos nossos produtos e serviços continua e as obras de instalações dos equipamentos também permanecem em andamento. Visualizamos melhores oportunidades no decorrer do ano, visto que o primeiro semestre é um período de baixa no nosso mercado e o maior volume de vendas sempre é maior no segundo semestre", reforça Piero Abbondi, Diretor Presidente e de RI.

Destaque ainda para os segmentos de Movimentação de Granéis Sólidos (MGS) que no 1T20 atingiu R$14,5 milhões, em comparação com o resultado de R$5,7 milhões do 1T19, e para Reposição e Serviços (R&S) no 1T20 atingiu R$20,2 milhões, aumento de 45,7% em relação ao 1T19, que vem apresentando constantemente performance positiva. O resultado pode ser atribuído à instalação de centros de distribuição posicionados estrategicamente no território nacional para atender às demandas dos clientes de forma ágil e com qualidade.

Pandemia do Covid-19 - A nova crise econômica provocada pelo Coronavírus fez a empresa tomar algumas decisões para superar as dificuldades temporárias. Buscando preservar a integridade, a saúde e a segurança dos colaboradores, a companhia suspendeu no dia 23 de março as atividades das fábricas de Panambi/RS e Campo Grande/MS e concedeu férias coletivas de 20 dias aos funcionários como medida preventiva para evitar o contágio. No dia 13 de abril de 2020, iniciou a retomada gradual das atividades operacionais com novas práticas e protocolos e, até o momento, nenhum colaborador foi testado positivamente para a infecção.

"Temos adequada flexibilidade e capacidade financeira para enfrentar eventuais impactos sobre atividades e estamos adotando as medidas necessárias para garantir a continuidade dos seus negócios", diz Piero Abbondi, Diretor Presidente e de RI.

Mesmo com a crise instaurada, devido a pandemia, a Kepler fechou o primeiro trimestre com R$127,5 milhões de Receita Líquida, uma redução de 7,3% em comparação ao mesmo período de 2019. O CPV teve queda de 11,4% atingindo R$97,9 milhões no 1T20, representando 76,8% da receita líquida, redução de 3,5 pontos percentuais comparado ao mesmo período de 2019. O EBITDA totalizou R$17,5 milhões, aumento de 14,3% em relação à 2019. A margem EBITDA do período ficou em 13,7% e 2,6 pontos percentuais acima, quando comparada ao mesmo período de 2019. O Resultado Líquido antes do Imposto de Renda foi de R$13,0 milhões no 1T20, comparado a R$7,3 milhões no mesmo período de 2019.

Plano Safra - A expectativa da Kepler é de participação mais agressiva dos Bancos particulares neste tipo de financiamento tendo em vista que a construção de unidades armazenadoras é um investimento de valores consideráveis em ativo imobilizado e a decisão de investimento dos clientes está diretamente relacionada às linhas de crédito disponíveis.

Os recursos do PCA (Programa para Construção e Ampliação de Armazéns) disponibilizados no Plano Safra 2019/2020 (iniciado em julho de 2019) se esgotaram nos primeiros 6 meses com o rápido comprometimento de todo o valor disponível de R$ 1,815 bilhões. "Neste cenário, observa-se que a demanda por investimentos em armazenagem de grãos tem sido muito superior aos recursos disponibilizados e, por consequência, um aumento expressivo déficit de armazenagem de grãos no Brasil., finaliza Piero, reforçando que a Kepler Weber está bem posicionada para se beneficiar de um maior crescimento do setor do agronegócio no Brasil, consolidando sua liderança em soluções de pós-colheita e ainda se estabelecer como um player relevante no mercado de equipamentos de movimentação de granéis.

(Redação - Investimentos e Notícias)