Índice Nacional da Construção Civil sobe em maio

  •  
Custo nacional da construção, por metro quadrado, fechou abril em R$ 877,19 (Foto: Divulgação) Custo nacional da construção, por metro quadrado, fechou abril em R$ 877,19

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia  e Estatística (IBGE) em parceria com a CAIXA, apresentou variação de 1,06% em maio, ficando 0,60 ponto percentual acima da taxa de abril (0,46%). Considerando o período de janeiro a maio, o resultado foi de 3,07%, enquanto o acumulado dos últimos 12 meses situou-se em 7,28%. 

Em maio de 2013 o índice foi de -5,12%, mês que incidiu a aplicação da desoneração da folha de pagamento de empresas do setor da construção civil, com efeitos vigentes de 1º de abril a 3 de junho de 2013. Em 19 de julho de 2013, de acordo com a lei 12.844, voltou a incidir. Quando não considerada a desoneração da folha de pagamento o acumulado no ano ficou em 3,09% e nos últimos 12 meses em 7,38%.

O custo nacional da construção, por metro quadrado, que em abril fechou em R$ 877,19, em maio passou para R$ 886,51, sendo R$ 487,84 relativos aos materiais e R$ 398,67 à mão de obra. Sem considerar a desoneração da folha de pagamento, o custo nacional da construção, por metro quadrado, fechou maio em R$ 947,82, sendo R$ 488,05 relativos aos materiais e R$ 459,77 à mão de obra.

A parcela dos materiais apresentou variação de 0,07%, caindo 0,31 pontos percentuais em relação ao mês anterior (0,38%). A mão de obra variou 2,30%, subindo 1,75 pontos percentuais em relação a abril (0,55%). Nos cinco primeiros meses do ano, os acumulados são 2,90% (materiais) e 3,28% (mão de obra), enquanto em 12 meses ficaram em 6,03% (materiais) e 8,85% (mão de obra). Estes resultados levam em conta a desoneração da folha de pagamento. Não considerada, os acumulados em 12 meses foram 6,00% (materiais) e 8,89% (mão de obra).

Com variações de 4,46% (Rio de Janeiro) e 2,65% (São Paulo), a região Sudeste, com taxa de 2,26%, foi a região com maior variação mensal em maio. Os demais resultados foram: 0,23% (Norte), 0,36% (Nordeste), 0,12% (Sul) e 0,33% (Centro-Oeste).

Os custos regionais, por metro quadrado, foram R$ 891,75 (Norte); R$ 829,75 (Nordeste), R$ 933,07 (Sudeste), R$ 887,87 (Sul) e R$ 881,56 (Centro-Oeste). A região Sudeste também ficou com a maior variação nos últimos 12 meses, atingindo 7,94% e com a maior taxa acumulada no ano, 4,23%.

Quatro estados apresentaram aumentos significativos decorrentes da pressão exercida por reajuste salarial do acordo coletivo, sendo que o Rio de Janeiro teve a maior variação mensal (4,46%). Os demais estados foram Paraíba (3,31%), Sergipe (2,91%), e São Paulo (2,65%).

(Redação – Agência IN)