Índice Ceagesp registra alta de 2,67% em setembro

  •  
Índice Ceagesp registra alta de 2,67% em setembro Foto: Divulgação Índice Ceagesp registra alta de 2,67% em setembro

Em setembro, o Índice de preços da CEAGESP registrou alta de 2,67%. Assim, o indicador, que até agosto apresentava retração em 2014, acumula alta de 2,22% no ano. Nos últimos 12 meses o índice CEAGESP registra elevação de 3,22%.

Aspectos sazonais, estiagem e, principalmente, problemas no abastecimento de água no estado de São Paulo e parte da região sudeste dificultam a irrigação e prejudicam o desenvolvimento e a produção de algumas culturas como citros e legumes.

O setor de frutas subiu 5,52%. As principais altas foram da atemoia (69,9%), figo (59,6%), maracujá azedo (35,4%), manga palmer (30%) e limão (21,3%). As principais quedas foram da ameixa estrangeira (-13,6%), mamão papaya (-13%), acerola (-11,85) e abacaxi havaí (-7,8%).

O setor de legumes registrou retração de 2,67%. As principais baixas foram do tomate cereja (-25,3%), do pimentão vermelho (-23,1%), mandioca (-15,6%), inhame (-14,6%) e maxixe (-13,1%). As Principais altas foram da berinjela (19,3%), abóbora japonesa (14,5%) e pepino japonês (7,55%).

O setor de verduras apresentou queda de 6,66%. As principais baixas foram do coentro (-29,5%), brócolos (-20,4%), couve-flor (-16,9%), beterraba com folhas (-14,7%), e espinafre (-12,3%). As principais altas foram da salsa (8,9%), nabo (4,1%) e milho verde (3,1%).

O setor de diversos recuou 6,02%. As principais quedas foram do coco seco (-13,6%), batata lisa (-11,6%), ovos (-11,7%), batata comum (-5,7%), amendoim (-7,4%) e alho (-4,1%). A cebola, com alta de 4,7%, foi a única elevação do setor.

O setor de pescados subiu 1,87%. As principais altas foram anchova (25,1%), curimbatá (-23,5%), cavalinha (16,7%), robalo (14,7%) e tainha (14,2%). As principais quedas foram da pescada (-14,2%), cascote (-13,2%), lula (-12,3%), e beterra (-9,1%).

A estiagem que atinge a região sudeste e a escassez de água em vários municípios do interior do estado de São Paulo deverão prejudicar o volume ofertado e a qualidade de alguns produtos. Espera-se também, um incremento na demanda neste último trimestre, principalmente no setor de frutas. Assim, os preços deste setor devem apresentar novas elevações nos próximos meses. As verduras apresentaram a sexta queda consecutiva no ano e estão com preços muito próximos ao custo. Assim, são esperadas elevações também neste setor. Os preços das verduras acumulam queda de 17,4% no ano. Parece positivo no curto prazo, mas, descapitaliza o produtor rural e inibe investimentos nas futuras safras. Legumes e pescados devem apresentar altas menos expressivas que os demais setores. Apenas elevações pontuais são esperadas nestes setores.

(Redação - Agência IN)