ICD e IAEmp avançam em novembro

  •  
ICD e IAEmp avançam em novembro (Foto: Divulgação) ICD e IAEmp avançam em novembro

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), da Fundação Getulio Vargas, subiu 1,4% em novembro, alcançando 99,0 pontos. O resultado sucede duas altas e sinaliza continuidade na tendência de aumento do desemprego observada nos últimos meses. No ano, o ICD acumula 34,5% de alta.

Já o Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) avançou em novembro, ao variar 4,8%, atingindo 68,2 pontos. Com o resultado, o indicador de médias móveis trimestrais apresentou crescimento, mas ainda representa uma acomodação em relação às fortes altas observadas nos meses anteriores. No acumulado anual, o indicador apresenta perda de 10,3%.

“O crescimento do ICD mostra que a taxa de desemprego deve continuar em trajetória crescente neste final de ano”, afirma Itaiguara Bezerra, economista da FGV/IBRE. Ainda segundo o economista, “a melhora do IAEmp deve ser analisada com cautela, por ter sido influenciada em novembro pela diminuição do pessimismo com o mercado de trabalho por parte do consumidor e não como uma intenção de aumento do contingente de mão de obra por parte dos setores produtivos. O movimento representa uma atenuação da tendência de queda do total de pessoal ocupado na economia brasileira no curtíssimo prazo, mas é ainda suficiente para sinalizar uma nova tendência”.

No caso do ICD, as classes que mais contribuíram para a variação do índice foram aquelas com renda entre R$ 4.800,00 e R$ 9.600,00 entre R$ 2.100,00 e R$ 4.800,00.

Os indicadores que mais contribuíram para a alta do IAEmp no mês foram os que mensuram a situação atual dos negócios para os próximos seis meses, na Sondagem da Indústria, e a perspectiva dos consumidores de encontrar emprego futuro na própria região, na Sondagem do Consumidor.

(Redação – Agência IN)