Fusões e aquisições movimentam R$ 42,6 bi em abril no Brasil

  •  
Fusões e aquisições movimentam R$ 42,6 bi em abril no Brasil Foto: Divulgação

O mercado brasileiro de fusões e aquisições movimentou 42,6 bilhões de reais no mês de abril, em um total de 83 operações reportadas no Relatório Mensal da Transactional Track Record, em parceria com a LexisNexis e TozziniFreire Advogados. De janeiro a abril, foram realizados 344 anúncios de compra e venda de participação envolvendo empresas brasileiras, queda de 11,8% face o mesmo intervalo do ano anterior. No período, os aportes financeiros contabilizam 74,2 bilhões de reais, baixa de 21,5% na comparação anual.

O segmento Tecnologia segue como o mais atrativo para os investidores. Em 2019, já foram contabilizadas 82 transações, mantendo a média do ano anterior. No apanhado do ano, o setor Financeiro e Seguros aparece na segunda colocação, com 41 operações, declínio de 11%, seguido por operações no segmento Imobiliário, que cresceram 17% e chegaram a 28 negócios realizados, enquanto Distribuição e Varejo caiu para a quarta posição, com 27 operações, fechando o período em baixa de 25%.

No âmbito das operações transnacionais, foram contabilizadas 80 operações de compra de empresas brasileiras por investidores estrangeiros nos quatro primeiros meses do ano, totalizando 49,2 bilhões de reais em aportes. Os Estados Unidos seguem como o país que mais realiza aquisições de empresas nacionais, 28 operações envolvendo compradores norte-americanos no ano, que juntas somam 3,3 bilhões de reais. Destas, nove foram deals no segmento de Tecnologia. Destaque também para o apetite espanhol por empresas nacionais, que movimentou 1,9 bilhões de reais, em oito transações.

Canadenses e franceses também investiram forte no mercado nacional em 2019. O grupo Engie, da França, e o fundo Caisse de Dépôt et Placement du Québec (CDPQ), do Canadá, investiram aproximadamente 28,4 bilhões de reais para adquirir uma participação de 90% da Petrobras na TAG - Transportadora Associada de Gás. Empresas canadenses realizaram outros quatro investimentos no país, enquanto os franceses participaram de outras duas operações com empresas brasileiras.

No caminho oposto, as compras brasileiras no exterior somam 2,6 bilhões em aportes em 2019, tendo como alvo prioritário os Estados Unidos, onde foram investidos 2,6 bilhões de reais em 11 operações. Portugal surge na segunda colocação, com três transações que movimentaram 361,8 milhões de reais.

As operações de private equity registradas no Brasil desde o início do ano sofreram uma queda de 33,3% no número de deals - 20, enquanto o volume financeiro registrado, 3,2 bilhões de reais, também ficou abaixo do anotado em período homólogo do ano anterior, representando uma queda de 29,9%.

Os investimentos de venture capital também fecharam o período em queda. As 56 rodadas de investimento apontadas pelo TTR entre janeiro e abril ficaram 28,2% abaixo do registrado no mesmo intervalo de 2018, e revelaram valores que somam 854 milhões de reais, total 71% inferior ao reportado nos mesmos meses do ano passado.

A conclusão da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre as ações da Multiplus pela Latam foi eleita pelo TTR como a operação de destaque do mês de abril. Como resultado do leilão, a Latam adquiriu 38.116.231 ações ordinárias de emissão da companhia em circulação, representativas de 23,49% do seu capital social. As ações foram adquiridas pelo preço unitário de 26,84 reais, totalizando 1 bilhão de reais.

A OPA teve como objetivo o cancelamento de registro de companhia aberta da Multiplus e saída do segmento Novo Mercado da B3. A empresa, que foi a primeira do setor de fidelidade no mercado de capitais no Brasil, vem perdendo participação de mercado, justificativa apontada pela Latam para a proposta da oferta.

A Latam foi assessorada na operação pelo Pinheiro Neto Advogados, enquanto a Multiplus recebeu assessoria de BMA - Barbosa Müssnich Aragão e Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados. O Banoc Credit Suisse Brasil atuou como intermediário.

O pódio do ranking TTR de assessores financeiros por valor das transações é liderado em abril por Rothschild, com total transacionado acumulado de 6,3 bilhões de reais. Na sequência aparece o Banco Itaú BBA, com 4,3 bilhões de reais, com Greenhill & Co. na terceira colocação, com 3,4 bilhões de reais.

O ranking de assessores jurídicos por valor é liderado por BMA - Barbosa Müssnich Aragão com 33,5 bilhões de reais, seguido por Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, com 30,8 bilhões de reais. Tauil & Chequer Advogados fecha o pódio na terceira colocação, com 29,9 bilhões de reais.

*As transações anunciadas em períodos anteriores podem sofrer alterações (cancelamento, renegociação de valor, confidencialização e etc.) devido à constante atualização de dados da Transactional Track Record. Os relatórios TTR consideram operações anunciadas year to date.

(Redação - Investimentos e Notícias)