Furnas registra lucro de mais de R$ 1 bilhão em 2018

  •  
Furnas registra lucro de mais de R$ 1 bilhão em 2018 Foto: Divulgação

FURNAS registrou lucro líquido de R$ 1,071 bilhão em 2018. O resultado foi influenciado pela receita da Rede Básica de Sistemas Existentes (RBSE) - indenização pelos ativos de transmissão de energia cujas concessões foram renovadas - e pela implantação de ações estratégicas que garantiram uma melhora no fluxo de caixa. A diminuição do endividamento da empresa em R$ 1,5 bilhão e sua tendência de queda nos próximos anos também é um ponto positivo, pois propicia mais margem para investimentos. Veja os destaques no final desta página.

De acordo com o presidente Ricardo Medeiros, os números reforçam o compromisso de FURNAS com a austeridade financeira. "As demonstrações revelam o impacto positivo de medidas que reduzem custos", disse. "O programa Orçamento Base Zero (OBZ), por exemplo, possibilitou economia de R$ 132 milhões."

A Receita Operacional Bruta de FURNAS no ano passado foi de R$ 9,2 bi. Devido à adoção de um novo padrão internacional de contabilidade, a empresa deixou de contabilizar R$ 832 milhões da receita proveniente de seus ativos de transmissão. Este fato contribuiu para a redução da receita e do lucro líquido apurados no exercício fiscal de 2018 em comparação ao ano anterior, quando registrou lucro de R$ 1,4 bilhão. O montante associado ao ingresso da RBSE no caixa da companhia foi de aproximadamente R$ 3 bilhões.

"A RBSE deve ser usada em investimentos que possam perenizar a receita da companhia. Isso significa fazer boas escolhas, sempre em alinhamento com a Eletrobras, que é a financiadora dos nossos investimentos", afirma o diretor de Finanças, Jenner Guimarães do Rêgo.

Já a receita de geração apurada em 2018 apresentou crescimento de 4,8% em relação ao ano anterior devido à celebração de novos contratos no Ambiente de Contratação Livre (ACL), atualização de contratos de comercialização no Ambiente Regulado e incremento da receita de Operação e Manutenção (O&M) das usinas renovadas pela Lei 12.783/2013, que passou de R$ 845 milhões para pouco mais de R$ 1 bilhão.

Entre as estratégias para alavancar a receita de FURNAS nos próximos anos está o projeto Disciplina de Capital. A iniciativa vai avaliar o atual modelo do sistema elétrico brasileiro, aperfeiçoar a governança dos processos de gestão de recursos e otimizar o controle de orçamento e gestão de portfólio.

O objetivo é tornar o fluxo de receita da companhia mais estável e crescente, seja por meio de investimentos, seja por novas formas de comercialização de energia.

Destaques das Demonstrações Financeiras de 2018:

• O Plano de Demissão Consensual (PDC) reduziu em R$ 70 milhões a folha de pagamento da empresa;

• Aumento da receita Anual de Geração em R$ 120 milhões;

• Redução de R$ 132 milhões das despesas de Pessoal, Material, Serviços e Outros (PMSO), com a continuidade do programa de Orçamento Base Zero (OBZ);

• Diminuição da dívida em R$ 1,5 bilhão, sendo R$ 182 milhões resultantes de transferência de sociedades de propósito específico (SPEs) em pagamento a dívidas com a Eletrobras;

• Termo de Adesão ao Acordo de Leniência entre Eletrobras, Ministério da Transparência, CGU e Odebrecht beneficiou FURNAS em R$ 118 milhões;

• Reversão das provisões de impairment de FURNAS de R$ 69 milhões e das SPEs em R$ 254 milhões.

• Dividendos propostos para os acionistas no montante de R$ 440 milhões.

• Implementação de nova metodologia internacional de cálculo da receita para os ativos de transmissão, chamada IFRS 15, impactou a receita da RBSE em R$ 832 milhões;

• Redução de R$ 932 milhões na Receita Operacional Líquida devido ao aumento na base de apuração de impostos e encargos setoriais;

• Provisões Operacionais no montante de R$ 434 milhões para provisão relativa a ações judiciais nas esferas fiscal, trabalhista e cível.

(Redação - Investimentos e Notícias)