Faturamento industrial cresce 1,7% em outubro, mostra CNI

  •  
Faturamento industrial cresce 1,7% em outubro, mostra CNI (Foto: Divulgação) Faturamento industrial cresce 1,7% em outubro, mostra CNI

A indústria permanece em trajetória de recuperação moderada, segundo dados da Confederação Nacional de Indústria (CNI). De um lado, as variáveis faturamento real, massa salarial real e rendimento real, beneficiadas pela inflação em queda, mostram evolução positiva mais clara. De outro, horas trabalhadas, emprego e utilização da capacidade instalada registram oscilações pequenas nos últimos meses, sem garantir tendência definida. O balanço desses resultados sugere manutenção do baixo patamar das variáveis pesquisadas e reforça o quadro de fraca atividade industrial.

O faturamento industrial aumentou 1,7% em outubro, na série livre de efeitos sazonais, acumulando, assim, 1,9% de crescimento no último bimestre. O faturamento de outubro é 11,9% maior que o registrado em outubro de 2016. Ainda assim, o faturamento acumulado nos dez primeiros meses de 2017 é 1,3% inferior ao registrado em igual período de 2016.

O emprego industrial aumentou 0,1% em outubro na comparação com setembro, desconsiderando os efeitos sazonais, após a estabilidade registrada no mês anterior. O emprego mostra queda de 1,3% na comparação com outubro de 2016 e o acumulado em 2017 é 3,2% inferior ao registrado em igual período de 2016.

As horas trabalhadas recuaram 0,7% em outubro, após o ajuste sazonal. Nos três meses anteriores, o índice ficou muito próximo da estabilidade – em julho e em setembro, o índice havia crescido 0,2% e em agosto, 0,1%. As horas trabalhadas em outubro de 2017 são 0,3% maiores que o registrado em outubro de 2016. O acumulado entre janeiro e outubro de 2017 é 2,6% inferior ao observado em igual período de 2016.

A massa salarial aumentou 0,3% em outubro, na série sem efeitos sazonais. Ao longo do segundo semestre, a massa salarial vem alternando variações mensais negativas e positivas, mas as quedas vêm sendo mais pronunciadas. A massa salarial de outubro de 2017 é 0,2% inferior à massa paga no mesmo mês de 2016, enquanto o acumulado no ano é 2,2% abaixo do registrado no mesmo período de 2016.

O rendimento médio real de outubro de 2017 foi 0,9% superior ao do mês anterior, descontados os efeitos sazonais. O aumento reverte apenas parcialmente a queda do mês anterior, de 2,3%. Ainda assim, o rendimento médio real de outubro de 2017 é 1,2% superior ao do mesmo mês de 2016, enquanto o rendimento médio acumulado no ano até outubro é 1% maior que do mesmo período de 2016.

Por fim, a utilização da capacidade instalada (UCI) de outubro de 2017 ficou em 77,7% em outubro, um aumento de 0,2 ponto percentual (p.p.), na série livre de efeitos sazonais. A UCI vem oscilando em torno de 77,5% nos últimos quatro meses, sem uma tendência definida. Mesmo assim, a UCI de outubro de 2017 é 1,6 p.p. maior que a observada em outubro de 2016, enquanto a UCI média dos primeiros 10 meses de 2017 é praticamente a mesma registrada em igual período de 2016 (apenas 0,1 p.p. superior).

(Redação – Investimentos e Notícias)