Empresas brasileiras sentem com perda de produtividade

  •  
Empresas brasileiras sentem com perda de produtividade Foto: Divulgação Empresas brasileiras sentem com perda de produtividade

De acordo com pesquisa da Robert Half, o Brasil é o país onde nota-se maior perda de produtividade nas empresas em períodos de férias dos colaboradores. A percepção é de 36% dos 100 diretores financeiros entrevistados no País, enquanto na Nova Zelândia essa é a reclamação de apenas 8% dos CFOs.

Outros prejuízos em empresas brasileiras, apresentados pelo estudo, foram a redução da atividade comercial (37%), falta de direção gerencial (18%) e força de trabalho menos motivada (5%). Somente 5% dos entrevistados não observaram nenhum impacto negativo nos negócios durante os períodos de descanso.

Especialistas da Robert Half consideram que um planejamento adequado com relação às férias dos colaboradores tendem a garantir o atendimento das demandas de trabalho nas organizações, independente da época do ano. Dentro deste cenário, eles listam algumas orientações:

Estabeleça regras - Crie critérios para atender solicitações de férias, como, por exemplo, ordem de chegada dos pedidos, senioridade dos profissionais ou colaboradores com filhos em idade escolar, etc;

Defina períodos críticos - Comunique sua equipe sobre datas e períodos em que é importante ter todos os profissionais na empresa;

Delegue com antecedência - Determine quais profissionais estão mais bem preparados para assumir as responsabilidades cruciais quando alguém mais sênior do time, por exemplo, estiver ausente. Isso garantirá continuidade do trabalho e será uma oportunidade de identificar talentos para posições mais altas;

Considere o apoio de um profissional temporário - Em posições mais estratégicas, projetos mais críticos ou quando a equipe está com a capacidade máxima de atividades, contrate profissionais temporários para garantir a continuidade das ações, com a qualidade desejada.

A pesquisa da Robert Half ouviu 2425 diretores financeiros de 16 países, sendo 100 do Brasil. O estudo foi realizado em junho de 2015.

(Redação - Agência IN)