Empresas aéreas brasileiras transportaram 98,9 mi de passageiros em 2017

  •  
Empresas aéreas brasileiras transportaram 98,9 mi de passageiros em 2017 (Foto: Divulgação) Empresas aéreas brasileiras transportaram 98,9 mi de passageiros em 2017

As empresas aéreas brasileiras transportaram, em voos domésticos e internacionais, um total de 98.984.771 passageiros pagos em 2017, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). O número representa uma elevação de 2,93% em relação aos 96.162.612 passageiros pagos que usaram o transporte aéreo em 2016. 

De acordo com dados do relatório, 8.357.924 passageiros pagos foram transportados por empresas brasileiras em voos internacionais com origem ou destino no Brasil, representando uma alta de 11,7% em relação a 2016, quando o número foi de 7.485.043. No mercado doméstico, os embarques cresceram 2,2% em 2017, passando de 88.677.569 passageiros para 90.626.847.

Internacional

No acumulado do ano, em comparação com igual período de 2016, a demanda internacional das empresas brasileiras cresceu 12% em termos de RPK (passageiros-quilômetros pagos transportados) e a oferta avançou 10,6% em ASK (assentos-quilômetros ofertados). Em dezembro de 2017, o indicador apresentou aumento de 10,5%, sendo o 15º mês consecutivo de alta, enquanto a oferta cresceu 11,7%, o 14º aumento seguido. No mês, foram transportados 776 mil passageiros pagos em voos internacionais por empresas brasileiras, maior nível para o período na série histórica iniciada em 2000.

Na participação do mercado internacional entre as empresas aéreas brasileiras, a Latam alcançou 67% do RPK para o mês de dezembro de 2017, tendo registrado baixa de 5,8% em sua demanda. A Azul obteve 15,9% de participação e crescimento de 61,1% no RPK em comparação a dezembro de 2016, enquanto a Gol alcançou a fatia de 11,2% (com aumento de 19,5% no RPK).

A taxa de aproveitamento de assentos nos voos internacionais em dezembro de 2017 foi de 82,9%, o que representou redução de 1,1% na comparação com o mesmo mês de 2016. Foi a quinta baixa consecutiva do indicador após sequência de 14 meses de alta. 

Acompanhando a expansão no movimento de passageiros pagos, o transporte de carga em voos internacionais também cresceu. Foram transportadas em dezembro 23.232 toneladas, um aumento de 21,4% ante o mesmo mês de 2016 (oitava alta consecutiva) e o maior nível para o indicador desde o início da série histórica iniciada em 2000. 

Brasil 

No mercado doméstico, o transporte aéreo de passageiros manteve, em dezembro, alta nos índices de demanda e oferta. Em dezembro de 2017, a demanda (em passageiros-quilômetros pagos transportados, RPK) registrou aumento de 5,7%, comparada com o mesmo mês de 2016. Foram transportados 8,3 milhões de passageiros pagos em voos domésticos – uma variação positiva de 4,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. 

No ano, a demanda por voos domésticos acumulou alta de 3,2% e a oferta, um crescimento acumulado de 1,4%, ante retrações de 5,7% e 5,9%, respectivamente, verificadas no ano anterior.
No acumulado de janeiro a dezembro de 2017, a Gol apresentou 36,2% de participação no RPK doméstico e a Latam obteve 32,6%, representando variações de 0,5% e -6,2%, respectivamente, na comparação com 2016. 

A taxa de aproveitamento dos assentos das aeronaves nos voos domésticos em dezembro foi de 83,2%, o que representou alta de 2,4% frente ao mesmo mês do ano anterior. Em sua quinta alta consecutiva, o indicador alcançou seu maior nível para dezembro na série histórica iniciada em 2000. No acumulado dos 12 meses do ano, a taxa de aproveitamento foi de 81,5%, com variação positiva de 1,8% em relação ao mesmo período de 2016 e também um recorde anual, considerada a série histórica iniciada em 2000.

Em dezembro de 2017, a carga transportada nos voos domésticos atingiu 42.525 toneladas, o que representou crescimento de 7,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior (quinta alta consecutiva). Entre janeiro e dezembro, houve crescimento acumulado de 1,8% no total de cargas transportadas em voos domésticos em relação a 2016, atingindo 426,1 mil toneladas.

(Redação – Investimentos e Notícias)