CPFL Energia tem lucro de R$ 574 milhões no 2T19

  •  
CPFL Energia tem lucro de R$ 574 milhões no 2T19 Foto: Divulgação CPFL Energia tem lucro de R$ 574 milhões no 2T19

A CPFL Energia, uma das líderes nos mercados brasileiros de distribuição, geração e comercialização, apresentou um lucro líquido de R$ 574 milhões no segundo trimestre deste ano, um crescimento de 27,4% em relação ao mesmo período de 2018. Esse resultado reflete o desempenho dos segmentos de distribuição e geração convencional. A geração de caixa operacional do grupo CPFL, medida pelo EBITDA, atingiu R$ 1,5 bilhão no período, equivalente a um aumento de 9,9% na comparação com o ano anterior.

Entre abril e junho, a companhia investiu R$ 521 milhões - valor 23,5% superior ao total investido no segundo trimestre de 2018. Os recursos foram utilizados em expansão e melhorias na rede de distribuição, tais como ampliação, reforço e manutenção do sistema elétrico, infraestrutura, modernização de sistemas, suporte à gestão e operação, serviços de atendimento a clientes e programas de pesquisa e desenvolvimento.

O plano estratégico da CPFL Energia prevê investimentos de R$ 2,2 bilhões em 2019. Desse total, já foram desembolsados até junho R$ 966 milhões, sendo R$ 885 milhões no segmento de distribuição.

“Estamos otimistas em relação aos avanços do setor elétrico e continuamos confiantes em nossa plataforma de negócios, que confirma que o Grupo CPFL está cada vez mais preparado e bem posicionado para enfrentar desafios e oportunidades no país”, diz Gustavo Estrella, presidente da CPFL Energia.

Energia Consumida - A energia consumida em nossa área de concessão aumentou 0,9% quando comparada com o mesmo trimestre de 2018. Esse crescimento só não foi maior devido a migração de dois grandes clientes para rede básica e efeitos de temperatura. Excluindo esses efeitos, o crescimento teria sido de 2% no segundo trimestre de 2019.

Alavancagem - A estrutura de capital e a alavancagem consolidada da CPFL Energia permaneceram em níveis adequados. A dívida líquida da Companhia alcançou 1,93 vezes o EBITDA ao final do trimestre, no critério de medição de nossos covenants financeiros, menor do que no trimestre anterior. Além disso, houve uma redução nas despesas financeiras com a dívida líquida, reflexo da redução do custo do endividamento.

(Redação - Investimentos e Notícias)