Comgás terá redução de tarifas para indústria, comércio e residências

  •  
Ajuste anunciado pela Arsesp entra em vigor a partir de 31 de maio, com redução de tarifas para indústria, comércio, cogeração e para as residências que consomem mais de sete metros cúbicos/mês; Foto: Divulgação Ajuste anunciado pela Arsesp entra em vigor a partir de 31 de maio, com redução de tarifas para indústria, comércio, cogeração e para as residências que consomem mais de sete metros cúbicos/mês;

A Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) terá novas tarifas a partir de 31 de maio, segundo anúncio da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp), em deliberação publicada nesta quinta-feira (26/05) no Diário Oficial do Estado.

As tarifas de gás natural canalizado sofrerão redução para os segmentos comercial, industrial e cogeração e, também, para residências que consomem mais de sete metros cúbicos/mês. Os percentuais aplicados são distintos, conforme o segmento de mercado e o volume de consumo. As tarifas têm alta para os clientes residenciais que consomem abaixo de sete metros cúbicos/mês e para o GNV, em percentuais abaixo da inflação no período medida pelo IGP-M (indicador utilizado pela Arsesp).

As novas tarifas entram em vigor a partir de 31 de maio e são válidas para os consumidores de gás natural em toda a área de concessão da Comgás, que compreende 177 municípios na Região Metropolitana de São Paulo, Região Administrativa de Campinas, Vale do Paraíba e Baixada Santista.

O reajuste realizado pela Arsesp é resultado do alinhamento do custo de gás e repasse de valores acumulados na conta-gráfica, que tiveram significativa redução em função da queda do preço do petróleo, que é a base para os preços do gás natural. Além disto, há a correção das margens de distribuição pelo IGP-M e a aplicação do Fator de Eficiência X. Até então, o último ajuste de tarifas havia sido definido pela Arsesp em maio de 2015.

"As novas tarifas anunciadas pela Arsesp reforçam a competitividade do gás natural, uma alternativa energética segura, eficiente e versátil", afirma o diretor-presidente e de Relações com Investidores da Comgás, Nelson Gomes.

"A redução de preços para os segmentos industriais e comerciais é uma excelente notícia para o setor produtivo. E as tarifas também caíram para a maioria das faixas de consumo no segmento residencial. Em todos os segmentos a variação foi muito abaixo da inflação. Tudo isso faz do gás natural uma opção ainda mais interessante para os consumidores", completa o presidente da Comgás.

A Comgás conta com 1.605.838 clientes residenciais, 15.096 comerciais, 1.105 industriais e 26 de cogeração, além de 264 postos de combustíveis - a estimativa é de cerca de 100 mil motoristas com carro convertido para o uso de GNV.

As novas tarifas por segmento:

Residencial - Os clientes da Comgás do segmento residencial terão variações entre -3% e +4,8%, conforme o nível de consumo. Por exemplo, para clientes com consumo de 5 metros cúbicos/mês (que utilizam o gás apenas no fogão), o reajuste é de +1,9%, bem abaixo da inflação para o período (10,6%). Para o consumo de 20 metros cúbicos/mês (clientes com fogão e aquecedor), a tarifa tem redução (-0,7%). Para condomínios com medição coletiva, também há redução: a variação pode chegar a -3% para consumo de 2 mil metros cúbicos/mês.

Comercial - No comércio, as tarifas serão reduzidas (-0,8%) para o consumo de 100 metros cúbicos /mês. As tarifas também caem para o consumo de 1.000 metros cúbicos/mês (-3,2%) e de 10.000 metros cúbicos/mês (-8,0%).

Industrial - Para a indústria, as quedas serão mais significativas. As tarifas terão diminuição , por exemplo, para empresas com consumo de 50.000 metros cúbicos/mês (-11,3%) e para as que utilizam 3 milhões de metros cúbicos/mês (-21%)

Automotivo - O GNV (Gás Natural Veicular) terá reajuste de +2,2% nas tarifas da Comgás para o posto que comercializa o produto. O preço para o consumidor final, na hora de abastecer, é definido por cada posto.

Cogeração - Para o segmento da cogeração, também haverá redução, que pode variar entre -15% e -21%, conforme faixa de consumo.

As tabelas completas com as novas tarifas ficarão disponíveis para consulta a partir do dia 31 de maio de 2016 nos sites da Arsesp (www.arsesp.sp.gov.br) e da Comgás (www.comgas.com.br/tarifas).

(Redação - Agência IN)