Balança comercial registrou superávit de US$ 2,224 bilhões

Balança comercial registrou superávit de US$ 2,224 bilhões (Foto: Divulgação) Balança comercial registrou superávit de US$ 2,224 bilhões

Nas duas primeiras semanas de junho de 2017, que totalizaram 7 dias úteis, a balança comercial registrou superávit de US$ 2,224 bilhões, resultado de exportações no valor de US$ 6,411 bilhões e importações de US$ 4,187 bilhões, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. No ano, as exportações somam US$ 94,337 bilhões e as importações, US$ 63,089 bilhões, com saldo positivo de US$ 31,248 bilhões.

Nas exportações, comparadas as médias até a 2ª semana de junho/2017 (US$ 915,9 milhões) com a de junho/2016 (US$ 760,8 milhões), houve crescimento de 20,4%, em razão do aumento nas vendas das três categorias de produtos: semimanufaturados (+37,7%, de US$ 111,1 milhões para US$ 153,0 milhões, por conta, principalmente, de açúcar em bruto, celulose, semimanufaturados de ferro/aço, ouro em forma semimanufaturada e óleo de soja em bruto), básicos (+17,3%, de US$ 355,3 milhões para US$ 416,7 milhões, por conta, principalmente, de petróleo em bruto, soja em grão, minério de ferro, minério de cobre e carne bovina) e manufaturados (+16,8%, de US$ 277,0 milhões para US$ 323,4 milhões, por conta de tubos flexíveis de ferro/aço, automóveis de passageiros, veículos de carga, açúcar refinado e polímeros plásticos). Relativamente a maio/2017, houve crescimento de 1,8%, em virtude do aumento nas vendas de produtos semimanufaturados (+21,2%, de US$ 126,3 milhões para US$ 153,0 milhões) e manufaturados (+3,5%, de US$ 312,4 milhões para US$ 323,4 milhões), enquanto caíram as vendas de produtos básicos (-5,5%, de US$ 441,1 milhões para US$ 416,7 milhões).

Já nas importações, a média diária até a 2ª semana de junho/2017, de US$ 598,2 milhões, ficou 3,1% acima da média de junho/2016 (US$ 580,4 milhões). Nesse comparativo, aumentaram os gastos, principalmente, com bebidas e álcool (+178,1%), combustíveis e lubrificantes (+66,9%), adubos e fertilizantes (+50,1%), siderúrgicos (+45,9%) e equipamentos eletroeletrônicos (+9,7%). Ante maio/2017, registrou-se crescimento de 8,5%, pelo aumento nas compras de adubos e fertilizantes (+81,5%), combustíveis e lubrificantes (+36,3%), instrumentos de ótica e precisão (+14,7%), equipamentos mecânicos (+11,3%) e plásticos e obras (+5,9%).

(Redação - Agência IN)