ANEF aponta queda na inadimplência e tendência de redução nos recursos liberados

  •  
ANEF aponta queda na inadimplência e tendência de redução nos recursos liberados Divulgação

Os recursos liberados para a aquisição de veículos no primeiro semestre representaram R$ 55,5 bilhões. Isto indica um aumento de 2% em relação ao mesmo período do ano passado, período no qual foram concedidos R$ 54,4 bilhões. Este é o principal destaque do balanço feito pela ANEF (Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras) referente aos segmentos de atuação das financeiras.

Mesmo com o resultado do semestre, a tendência dos recursos liberados para este fim ainda é baixa, tal como ocorreu em junho, quando foram concedidos R$ 8,5 bilhões, valor 8,8% menor que maio. Naquele período, a quantia foi de R$ 9,3 bilhões, e 3,3% inferior ao mesmo período do ano passado - R$ 8,8 bilhões. As baixas são explicadas principalmente em razão da queda na venda de veículos automotores, em consequência de férias coletivas nas montadoras e da Copa do Mundo.
O saldo das carteiras de financiamentos para aquisição de veículos (CDC + Leasing PF e PJ), que em maio ultrapassou R$ 219 bilhões, apresentou retração de 0,9% em junho, passando para R$ 217,1 bilhões. Em relação ao mesmo período de 2013, quando atingiu R$ 235,2 bilhões, a redução foi de 7,7%.
A inadimplência acima de 90 dias no setor de financiamento de veículos caiu 0,1 p.p. em junho, e fechou o mês em 4,9% no CDC para pessoa física. Durante o primeiro semestre, as quedas somam 0,3 p.p. Os atrasos inferiores ao período de 90 dias se mantiveram estáveis em 8,1% em junho.
Em junho, os associados da ANEF praticaram uma taxa média de juros de 1,41% ao mês, sendo a mesma efetivada em maio. A taxa média anual foi de 18,30%, também sem alteração no período. No mercado, as taxas praticadas pelos bancos de varejo para financiamento de veículos também se estabilizaram em 1,74% ao mês e 23% ao ano no CDC para pessoa física. No CDC para pessoa jurídica, a taxa média informada pelo Banco Central foi de 1,43% ao mês e 18,6% ao ano. A Selic manteve-se em 0,87% ao mês e 11% ao ano.

(Redação- Agência IN)