A Opel/Vauxhall passa a integrar o Grupo PSA

A Opel/Vauxhall passa a integrar o Grupo PSA Foto: Divulgação A Opel/Vauxhall passa a integrar o Grupo PSA

A General Motors Co. (NYSE:GM) e o Grupo PSA (Paris:UG) anunciaram hoje a conclusão de um acordo mediante o qual a filial Opel/Vauxhall da GM e as operações europeias da GM Financial passam a integrar o Grupo PSA nos termos de uma transação que eleva o valor dessas atividades a 1,3 bilhão de euros e 0,9 bilhão de euros, respectivamente.

Com a aquisição da Opel/Vauxhall, que alcançou um faturamento de 17,7 bilhões de euros em 20161, o Grupo PSA passará a ser a segunda montadora europeia, com uma participação no mercado de 17%.

Criar uma base sólida para o Grupo PSA na Europa para sustentar um crescimento internacional rentável

“Estamos orgulhosos em unir nossas forças com a Opel/Vauxhall e nos comprometemos a levar adiante o desenvolvimento desta grande empresa e acelerar sua recuperação”, declarou Carlos Tavares, Presidente Mundial do Grupo PSA. “Saudamos todas as realizações de suas talentosas equipes assim como as belas marcas Opel e Vauxhall e o legado excepcional da empresa. Pretendemos administrar a PSA e a Opel/Vauxhall valorizando suas respectivas identidades de marca. Por já termos desenvolvido juntos excelentes modelos para o mercado europeu, estamos convencidos que a Opel/Vauxhall é o parceiro adequado. Para nós, isto vem naturalmente prolongar nossa parceria e estamos ansiosos para passar a uma velocidade superior. ”

“Confiamos na aceleração significativa da recuperação da Opel/Vauxhall graças ao nosso apoio, e respeitamos os compromissos que a GM assumiu com os funcionários da Opel/Vauxhall”, acrescentou Tavares.

Acelerar a transformação da GM e criar valor

“Estamos felizes com esta nova oportunidade que temos juntos, nós da GM, nossos colegas da Opel/Vauxhall e a PSA, de melhorar o desempenho de nossas empresas no longo prazo, amparados pelo sucesso de nossa aliança”, declarou Mary T. Barra, CEO da GM.

“Para a GM, isto constitui uma nova e grande etapa do plano atualmente em curso para melhorar nosso desempenho e acelerar nossa dinâmica. Transformamos nossa empresa e conseguimos resultados recordes e duradouros para nossos acionistas, graças a uma alocação disciplinada de nossos recursos em prol dos investimentos mais rentáveis de nossa atividade automotiva e das novas tecnologias, que nos permitem definir o futuro da mobilidade individual.”

“Estamos convencidos que este novo capítulo fortalecerá ainda mais a Opel e Vauxhall numa perspectiva de longo prazo e ficamos felizes em poder contribuir para o sucesso futuro e o potencial de criação de valor da PSA através de nossos interesses econômicos comuns e de uma colaboração contínua, não apenas focada nos projetos atuais, mas também em outros importantes projetos no futuro”, concluiu Mary Barra.

Consolidar cada uma das empresas no longo prazo

Com essa operação o Grupo PSA poderá realizar importantes economias de escala e criar sinergias nas áreas de compras, produção e P&D. Esperam-se sinergias de 1,7 bilhão de euros por ano até 2026 – sendo que uma parte significativa deve se concretizar até 2020 – que contribuirão para acelerar a recuperação da Opel/Vauxhall. Beneficiando-se com a proveitosa parceria concluída com a GM, o Grupo PSA espera que a Opel/Vauxhall obtenha uma margem operacional corrente3 de 2% até 2020 e de 6% até 2026, e gere um free cash-flow operacional positivo4 até 2020.

O Grupo PSA, juntamente com o banco BNP Paribas, adquirirá a totalidade das atividades europeias da GM Financial através de uma nova empresa conjunta, constituída em partes iguais, que conservará contabilmente a plataforma e a atual equipe europeia da GM Financial. Do ponto de vista contábil, esta empresa conjunta será consolidada pelo BNP Paribas pelo método de integração global e pela PSA pelo método da equivalência.

A operação representa uma nova etapa dos esforços empreendidos pela GM para transformar a empresa, que apresentou três anos de desempenho recorde e exibe sólidas perspectivas para 2017, ao mesmo tempo em que redistribui uma parte considerável de capital a seus acionistas. Esta operação virá reforçar a atividade principal da GM, permitirá focar no desenvolvimento contínuo das oportunidades de negócios mais rentáveis, incluindo as tecnologias de ponta que vão revolucionar o futuro e criar um valor significativo para os acionistas.

Ao promover uma melhoria imediata do EBIT ajustado, da margem do EBIT ajustado, do free cash-flow ajustado para a atividade automotiva, e reduzindo os riscos para seu balanço, a operação permitirá que a GM reduza suas necessidades de liquidez em 2 bilhões de dólares, podendo assim acelerar as compras de ações, em função das condições de mercado.

A GM, que estará igualmente exposta ao sucesso futuro da entidade combinada através da detenção de bônus de subscrição de ações PSA. GM e a PSA preveem também uma colaboração em torno do desenvolvimento de tecnologias ligadas ao carro elétrico. Além disso, os acordos existentes de fornecimento de alguns modelos Holden e Buick são mantidos, enquanto a PSA poderá eventualmente vir a se abastecer de célula de combustível junto à recém-criada empresa conjunta GM/Honda.

Informações complementares

As atividades automotivas da Opel/Vauxhall serão adquiridas pela PSA por 1,3 bilhão de euros. As atividades europeias da GM Financial serão adquiridas pela PSA e pelo BNP Paribas por um valor equivalente a 0,8 vezes o seu valor contábil pro forma na conclusão da operação, ou seja, cerca de 0,9 bilhão de euros.

A operação representa um valor total de 2,2 bilhões de euros, referente às atividades automotivas da Opel/Vauxhall e a 100% das atividades europeias da GM Financial.

O valor da transação para a PSA, incluindo a Opel/Vauxhall e 50% das atividades europeias da GM Financial, será de 1,8 bilhão de euros.

No âmbito desta operação, a GM ou suas filiais irão subscrever bônus de subscrição de ações (‘BSA’) no valor de 0,65 bilhão de euros. Estes BSA têm uma maturidade de nove anos e podem ser exercidos a qualquer momento, parcial ou totalmente, a partir de cinco anos da data de emissão, por um preço de exercício fixado em 1 €. Com base numa ação de referência da PSA cotada em 17,34 €, os bônus de subscrição correspondem a 39,7 MM de ações da PSA, ou seja, 4,2 % de seu capital em ações numa base inteiramente diluída6. A GM não terá nenhum direito de gestão ou de voto em relação à PSA e compromete-se a vender as ações recebidas da PSA no prazo de 35 dias a partir do exercício dos bônus de subscrição.

A operação inclui todas as atividades automotivas da Opel/Vauxhall, que compreendem as marcas Opel e Vauxhall, seis fábricas de montagem e seis fábricas de produção de peças, um centro de engenharia (Rüsselsheim, Alemanha) e cerca de 40 mil funcionários. A GM conservará seu centro de engenharia de Turim, na Itália.

Ademais, a Opel/Vauxhall continuará a usufruir das licenças de propriedade intelectual da GM até a adaptação progressiva dos seus veículos às plataformas da PSA nos próximos anos.

Em relação a essa operação, a GM vai registrar um encargo específico de 4,0 - 4,5 bilhões de dólares, sem impacto cash.

(Redação - Agência IN)