Preço médio do aluguel residencial recua 0,40% em julho

  •  
Preço médio do aluguel residencial recua 0,40% em julho Foto: Divulgação Preço médio do aluguel residencial recua 0,40% em julho

Após recuar 0,13% em junho, o Índice FipeZap de Locação Residencial apresentou nova queda em julho de 2020 (-0,40%). A variação do Índice FipeZap de Locação Residencial ficou abaixo da inflação registrada tanto pelo IPCA/IBGE (+0,36%) e quanto pelo IGP-M/FGV (+2,23%), resultando em uma queda real do preço médio do aluguel dos imóveis. 

No último período período, comportamento negativo foi influenciado pela queda registrada nos preços desse segmento em algumas das principais capitais brasileiras: Curitiba (-1,55%), Florianópolis (-1,47%), São Paulo (-0,88%), Rio de Janeiro (-0,66%), Porto Alegre (-0,52%), Recife (-0,40%). Já entre as capitais que apresentaram elevação no preço médio, incluem-se: Goiânia (+1,59%), Salvador (+0,71%), Belo Horizonte (+0,40%), Fortaleza (+0,39%) e Brasília (+0,20%).

Com o novo recuo do preço médio dos imóveis no último mês, o Índice FipeZap de Locação Residencial reduziu o avanço acumulado no ano para 2,74% - variação que, quando comparada à inflação medida pelo IPCA/IBGE no período (+0,46%), resulta em uma alta real de 2,27%. Vale mencionar, por outro lado, que a variação acumulada do Índice FipeZap de Locação Residencial até julho de 2020 encontra-se abaixo do IGP-M (FGV) acumulado no mesmo intervalo temporal (+6,71%).

Com os últimos resultados negativos, o Índice FipeZap de Locação Residencial reduziu a alta acumulada nos últimos 12 meses para 4,12% - superando também, neste horizonte, a inflação medida pelo IPCA/IBGE (+2,31%), mas não a calculada pelo IGP-M/FGV (+9,27%). Comparado ao IPCA, o preço médio de locação residencial acumula alta real de 1,78% em 12 meses. Todas as capitais monitoradas pelo Índice FipeZap apresentaram elevação nominal de preço nesse recorte, destacando-se os avanços em: Recife (+7,25%), Curitiba (+7,04%), Belo Horizonte (+6,65%), Florianópolis (+6,48%), Brasília (+6,25%), Porto Alegre (+5,86%), Goiânia (+5,55%) e São Paulo (+5,27%). No Rio de Janeiro, a ligeira alta acumulada em 12 meses (+0,50%) permanece abaixo da variação do Índice FipeZap (+4,63%) e também do IPCA/IBGE (+2,13%).

Com base em dados de todas 25 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap de Locação Residencial, o preço médio do aluguel encerrou o mês de julho de 2020 em R$ 30,61/m². Entre as 11 capitais monitoradas, São Paulo se manteve como a capital com o preço médio de locação residencial mais elevado (R$ 40,90/m²), seguida pelos valores médios registrados em Brasília (R$ 32,21/m²), Recife (R$ 30,59/m²) e Rio de Janeiro (R$ 30,58/m²). Já entre as capitais com menor valor de locação residencial no mês de maio, destacaram-se: Fortaleza (R$ 17,33/m²), Goiânia (R$ 17,71/m²), Curitiba (R$ 21,07/m²) e Belo Horizonte (R$ 23,79/m²).

A razão entre o preço médio de locação e o preço médio de venda dos imóveis é uma medida de rentabilidade (rental yield) para o investidor que opta em adquirir o imóvel com a finalidade de obter renda com aluguel ao longo do tempo. Nesse sentido, o indicador pode ser utilizado para avaliar a atratividade do mercado imobiliário em relação a outras opções disponíveis aos investidores a cada momento do tempo. Impondo ligeira alta frente ao percentual calculado há um ano (4,62%), o retorno médio do aluguel residencial (anualizado) encerrou em julho de 2020 em 4,82% (alta de 0,20 ponto percentual em 12 meses), mantendo-se em patamar superior ao retorno médio projetado para aplicações financeiras de referência.

(Redação - Investimentos e Notícias)